Por onde eu passo, valorizo o que é vivo e respeito até o invisível. Tento entender situações e procuro levar na bagagem o máximo de coisas não materiais. Recordações de momentos vividos, cantos escondidos e surpresas de animais. Assim, na Itália, não foi diferente e não poderia deixar de homenagear, seres que nunca mais vou esquecer:

 

Em Salerno, o serelepe, quase gente;

 

 

E o “Gremilin” que deve ter assustado muita gente.

 

 

Os selvagens de Capograssi;

 

 

Uma pequena, e agitada, surpresa;

 

 

E a “Dama da Campania” com charme e beleza.

 

 

Em Serramezzana, o show do David Bowie, morador do cemitério com histórias para contar;

 

E o fabuloso “Lobo e as oliveiras”, de lá.

 

Em Agnone, esse era a cara do dono;

 

E na vizinha, Acciaroli, o Garfield italiano veio para jantar.

 

Camuflado em Ogliastro, o gato camaleão, foi difícil de encontrar.

 

What? Snakes! Em Agropoli, chegaram a assustar;

 

E o “garçom-pardal” de Classe, partiu antes de almoçar.

 

Obs.: Este foi o resumo, animal, de lugares na Itália, sem igual!

 

————
Fernando Ferrari (fffernandoferrari@gmail.com) é brasileiro de nascimento, francês de cidadania e italiano de coração! Publicitário, escritor amador, mora em São Paulo, já esteve na Itália duas vezes e mantém o blog www.cabecatroncoetextos.blogspot.com
Um dia pretende trabalhar e viver mais tempo por lá, mas enquanto não surge uma oportunidade, escreve para diminuir a saudade.