Bienal de Arte de Veneza 2024 – A Bienal de Veneza, reconhecida por ser uma das mostras de arte mais significativas do mundo, anuncia sua 60ª Exposição Internacional de Arte, intitulada “Stranieri Ovunque – Foreigners Everywhere“. O evento, curado pelo brasileiro Adriano Pedrosa, ocorrerá entre 20 de abril e 24 de novembro de 2024, nos históricos espaços dos Giardini e do Arsenale em Veneza, com uma pré-abertura especial agendada para os dias 17, 18 e 19 de abril. Saiba mais aqui.

Ingressos para Bienal de Arte de Veneza 2024

Existem tarifas especiais promocionais para quem comprar os ingressos para a Bienal de Veneza até o dia 21/03/2024. Abaixo detalhes no site do revendedor oficial autorizado:

CategoriaTarifaIngressos online
Inteiro Euro 25,50comprar aqui
Estudantes e menores de 26 anosEuro 12,50comprar aqui

A partir de 21/03/2024 o ingresso inteiro será vendido por Euro 30,00 e o ingresso para estudantes por Euro 16,00 (mais eventuais taxas de reserva)

Como chegar na Bienal de Arte de Veneza

A Bienal de Veneza possui duas sedes:

  • Sede Arsenale – via Campo della Tana, 2169/F – VENEZA (VE) ITÁLIA
  • Sede Giardini di Castello viale Trento, 1260 – VENEZA (VE) ITÁLIA
A sede da Bienal de Arte de Veneza em Giardini
A sede da Bienal de Arte de Veneza em Giardini

Para quem vem do Piazzale Roma ou da estação ferroviária Venezia S. Lucia:

  • Para Arsenale: linhas Actv 1, 4.1
  • Para Giardini: linhas Actv 1, 2, 4.1, 5.1 (linha 6 apenas de Piazzale Roma)

Você pode comprar sua passagem de vaporetto através da Get Your Guide

Powered by GetYourGuide

Ainda não reservou acomodação? Veja nossas dicas de hotéis em Veneza

Explorando os Núcleos da Mostra: Contemporâneo e Histórico

A Bienal de Arte de Veneza será dividida principalmente em dois núcleos: um contemporâneo e outro histórico. Abaixo detalhes:

Núcleo Contemporâneo

Focando na inovação, a Bienal de Arte de Veneza 2024 apresenta uma seleção de artistas que nunca participaram de suas exposições internacionais, privilegiando novas vozes e perspectivas na arte contemporânea.

O termo italiano “straniero”, o português “estrangeiro”, o francês “étranger” e o espanhol “extranjero” são todos conectados etimologicamente às palavras “estranho”, “étrange” e “extraño”, ou seja, ao estrangeiro. Vem à mente “O Inquietante” de Sigmund Freud, que na edição italiana foi traduzido como “o estranho”, o estranho que, no fundo, é também familiar.

Segundo o American Heritage e o Oxford English Dictionary, o primeiro significado da palavra “queer” é justamente “estrangeiro” (“strange”), portanto a Exposição se desenvolverá e se concentrará na produção de outros sujeitos conectados: o artista queer, que se move dentro de várias sexualidades e gêneros e é frequentemente perseguido ou marginalizado; o artista outsider, que se encontra às margens do mundo da arte, típico do autodidata ou o chamado artista folk ou popular; o artista indígena, frequentemente tratado como um estrangeiro em sua própria terra. A produção desses quatro sujeitos será o fulcro desta edição e irá constituir o Núcleo Contemporâneo.

MAHKU - Movimento dos Artistas Huni Kuin (Fundado em 2013 na Terra Indígena Kaxinawá, Brasil - Localizado na Terra Indígena Kaxinawá)
Acelino Huni Kuin (Terra Indígena do Alto Rio Jordão, Jordão, Acre, Brasil, 1975) faz parte do Movimento dos Artistas Huni Kuin (MAHKU). Ibã Huni Kuin, também integrante do movimento, é originário da mesma região (Terra Indígena do Alto Rio Jordão, Jordão, Acre, Brasil, 1964). Fotografia por Daniel Cabrel, com cortesia do Museu de Arte de São Paulo – MASP.

Destaques incluem a presença significativa de artistas indígenas e queer, como demonstrado pelo trabalho do coletivo brasileiro Mahku e do coletivo Maataho de Aotearoa/Nova Zelanda, ambos apresentando instalações monumentais no Padiglione Centrale.

Além disso, a seção especial “Disobedience Archive”, organizada por Marco Scotini e projetada por Juliana Ziebell, investiga as relações entre práticas artísticas e ativismo, incluindo obras de 39 artistas e coletivos entre 1975 e 2023.

Núcleo Histórico

O Nucleo Histórico lança um novo olhar sobre os modernismos globais, particularmente aqueles do “Sul Global”, desafiando as definições convencionais de modernismo. Este segmento da mostra inclui obras de artistas da América Latina, África, Ásia e do mundo árabe, destacando contribuições significativas ao modernismo que frequentemente permanecem desconhecidas.

Uma das salas do Núcleo Histórico será dedicada à diáspora de artistas italianos que viajaram e se transferiram para o exterior, integrando-se às culturas locais e construindo suas carreiras na África, Ásia, América Latina, bem como no resto da Europa e nos Estados Unidos.

Artistas que muitas vezes tiveram um papel significativo no desenvolvimento das narrativas do Modernismo fora da Itália. Nesta sala serão expostas as obras de 40 autores italianos de primeira ou segunda geração, colocadas em expositores de cavalete em vidro e cimento de Lina Bo Bardi (arquiteta italiana que se mudou para o Brasil e projetou por exemplo o MASP de São Paulo).

Projetos especiais

Na 60ª Exposição Internacional de Arte da Bienal de Veneza, entre os projetos especiais, destaca-se a obra da artista brasileira Beatriz Milhazes, reconhecida por entrelaçar em sua arte o imaginário cultural brasileiro com referências à pintura modernista ocidental.

No Pavilhão de Artes Aplicadas, localizado no Arsenale, Salas de Armas, Milhazes apresentará uma série de sete pinturas e igual número de colagens de grande formato, que prometem ser um deleite visual e cultural para os visitantes. Este projeto, sob curadoria de Adriano Pedrosa e em sua oitava edição, é resultado de uma colaboração frutífera entre La Biennale e o Victoria and Albert Museum (V&A) de Londres, reforçando a importância do diálogo intercultural na arte contemporânea.

arsenale bienal de arte de veneza
O Arsenale, uma das sedes da Bienal de Arte de Veneza (crédito foto: Andrea Avezzù/divulgação)

Prêmios Bienal de Arte de Veneza 2024

Os prestigiosos Leoni d’Oro alla carriera foram atribuídos a Anna Maria Maiolino, artista brasileira nascida na Italia, e a Nil Yalter, artista turca residente em Paris, reconhecendo suas contribuições excepcionais à arte contemporânea.

A brasileira Anna Maria Maiolino receberá o Leone d'Oro no dia 20 de abril de 2024 durante a cerimônia de premiação e inauguração da Bienal de Arte de Veneza 2024
A brasileira Anna Maria Maiolino receberá o Leone d’Oro no dia 20 de abril de 2024 durante a cerimônia de premiação e inauguração da Bienal de Arte de Veneza 2024 (crédito foto: Livia Gonzaga/divulgação)

O reconhecimento será entregue no sábado, 20 de abril de 2024, durante a cerimônia de premiação e inauguração da Bienal de Arte 2024 em Ca’ Giustinian, sede da Bienal de Veneza.

A exposição também celebra novas participações nacionais, com países como a República do Benin, Etiópia, República Democrática de Timor Leste e República Unita da Tanzânia, além do Panamá e Senegal, que participam pela primeira vez com seus próprios pavilhões.

Veja também nosso guia de Veneza com dicas para você organizar sua viagem


E você, vai conferir ao vivo a edição 2024 da Bienal de Arte de Veneza?

Parceiros:

RESERVE SUA ACOMODAÇÃO AGORA

Reserve sua hospedagem na Italia, no Brasil ou em qualquer outro país do mundo com nosso parceiro Booking.com!

Você encontra as melhores ofertas e ainda colabora com o nosso site. Obrigada!

RESERVE TRANSFERS E TOURS ONLINE

Reserve transfers, tours e excursões na Italia e no mundo com a nossa parceira Get Your Guide

Artigo anteriorSebastião Salgado em Ravenna: a mostra Exodus – Umamità in Cammino será inaugurada em março
Próximo artigo25 de março em Florença, dia do Ano Novo Florentino
Barbara Bueno - brasilnaitalia
Barbara Bueno é uma jornalista brasileira que mora em Florença desde março de 2005. Foi para a Toscana em busca das suas origens italianas. Em janeiro de 2007 criou o blog BRASIL NA ITALIA. Já trabalhou como content manager para a Regione Toscana, obteve habilitação como assistente turística e foi proprietária de agência de viagem na Italia (até chegar a pandemia...). Hoje se interessa por criptomoedas e voltou a fazer o que mais gosta: buscar novidades, visitar lugares interessantes e escrever! Se você tem uma dúvida sobre a Italia visite a seção Dúvidas sobre a Italia.

2 COMENTÁRIOS

  1. Oi Regina, obrigada por compartilhar sua opinião aqui com a gente.
    E no geral, o que você achou da Bienal? Na sua opinião, valeu a pena a visita? Conta mais!
    Abs
    Barbara

  2. Visitei ontem, 14 de setembro, a exposição do Brasil na Bienal de Veneza. Fiquei impressionada (e envergonhada!) com a insignificância dos trabalhos.

COMENTÁRIOS:

Please enter your comment!
Please enter your name here