Antes tarde que nunca! Uma frase de conhecimento universal que nos vem a tona normalmente quando descobrimos algo que, a partir daquele momento, já nos conquistou e satisfez! Uma espécie de contentamento cobrindo um arrependimento. Isso aconteceu comigo no último dia 19 de Março, sentado numa poltrona do Teatro do SESI – SP para acompanhar a pré-estreia da peça “Mistero Bufo” do Dramaturgo Italiano Dario Fo. Mais um evento do calendário MIB apoiado pelo Instituto Italiano di Cultura SP.

Como eu nunca ouvi falar de Dario Fo? – Pensei. E seria só mais um pensamento (deste Fernando) se não tivesse ouvido a mesma frase de um outro Fernando (este de sobrenome Greiber) representante do Conselho Regional do SESI, que abriu o evento (repleto de artistas na plateia) na ausência do presidente da entidade (Paulo Skaf) mencionando que só havia tomado conhecimento desta importante personalidade cultural italiana, oito meses antes, por uma aluna que o procurou apresentando um trabalho de faculdade sobre ele.

Dario Fo: Tão grande e, até então, invisível e desconhecido para mim.

Antes tarde que nunca! Pois o conheci este (ainda vivo) ator, dramaturgo, diretor, cenógrafo, artista plástico, compositor e pesquisador do universo medieval e das narrativas cômicas dos “bufos” (atores da época,  encarregados de fazer rir o público, com mímicas, esgares etc) através de sua mais importante obra “Mistero Bufo”que lhe rendeu, inclusive, o Prêmio Nobel de Literatura em 1997 por ter dado aos jograis, em sua obra, a mesma estatura das grandes correntes da Literatura Universal, valorizando os excluídos e bobos medievais.

Dario Fo é um dos dramaturgos mais encenados do mundo. Sua obra, encenada pela primeira vez em 1969, se espalhou pelos palcos do mundo. Tida como a sua melhor, o espetáculo apresenta uma visão satírica de temas religiosos. Numa comédia acida que discute tragédias humanas através de metáfora entre passado e presente, tratando de forma sutil, temas delicados. Somando na narrativa a estética do palhaço, sem recursos de maquiagem ou nariz vermelho e linguagem adaptada para gírias conhecidas dos brasileiros.

Simples palhaços: De cara limpa e alma lavada, os atores entram nos personagens.

Encenados por atores (palhaços) de uma companhia de teatro brasileira premiada e apresentada em festivais de circo de várias partes do mundo, sem dúvida pode-se dizer que a La Mínima é o máximo! Comemorando seus 15 anos, o grupo formado pelos atores Domingos Montagner e Fernando Sampaio, acompanhados musicalmente por Fernando Paz (Que toca muitos instrumentos ao vivo!) encenam pequenas histórias sob a direção de Neyde Veneziano (Pós-doutorada no autor, já tendo trabalhado diretamente com Fo).

Para maiores informações, visite a página do espetáculo. Caso você esteja no Brasil, fica esta dica. É garantia de boas risadas e reflexões que prenderão sua atenção! E mesmo para quem está na Itália (ou em outra parte do mundo) e que até então nunca tinha ouvido falar dele, vale a pena conhecer. O máximo que pode acontecer é gostar! Afinal, antes tarde que nunca!

Atores da Companhia La Mínima: A atuação do trio deixa realmente, qualquer um, de boca aberta!

 

————
Fernando Ferrari (fffernandoferrari@gmail.com) é brasileiro de nascimento, francês de cidadania e italiano de coração! Publicitário, escritor amador, mora em São Paulo, já esteve na Itália duas vezes e mantém o blog www.cabecatroncoetextos.blogspot.com Um dia pretende trabalhar e viver mais tempo por lá, mas enquanto não surge uma oportunidade, escreve para diminuir a saudade.
www.facebook.com/fffernandoferrari

2 COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde, Fernando!
    Adorei conhecer esse artista, Dario Fo.
    Amei seu texto, e aprendi um pouco mais
    Obrigada pela oportunidade.
    Aliás, como voce disse e eu concordo:
    – Antes tarde do que nunca.

    obs. Conheço pessoalmente o Domingos Montagner.
    É nosso colega de bairro( pela família dele), do happy hour (as vezes), aos domingos pela manhã, pessoa maravilhosa.
    Beijo, e parabéns!

  2. Oi Eliana, tudo bem? Eu é que agradeço por ter lido e fico contente em saber, e passar, um novo aprendizado, poucos dias após eu também ter adquirido! Fiquei ainda mais surpreso em saber que conhece o Domingos (que talento!) Se encontrar com ele, e lembra, comenta sobre o post. E pode até dizer que já mandei o mesmo para o e-mail da Companhia La Minima. Beijos FF

Comments are closed.