Em tempos de alta tecnologia é normal que vários modelos de telefone celular já tenham feito parte da sua vida. Uns você pode ter perdido ou esquecido por aí, outros caíram na piscina e outros ainda estão simplesmente ocupando espaço na sua casa. Pode até passar pela sua cabeça jogá-lo fora, mas aí você se recorda que celular não pode ir para o lixo comum, muito menos a bateria porque seria totalmente anti-ecológico.

Campanha italiana de arrecadação de celulares antigos

O slogan é: “Non far diventare un rifiuto il tuo vecchio cellulare, aiuta l’ambiente e guadagna fino a Euro 100” promovida pelo jornal E Polis. Praticamente funciona assim: você entra no site da campanha http://www.soldiperiltuocellulare.com/ e procura a marca e modelo do seu celular para descobrir quanto te pagariam. Depois basta enviá-lo pelo correio com as despesas pagas pelo site. Fácil fácil.

BRASIL NA ITALIA testou – Parte 1: Quanto vale o meu celular?

Eu provei dois modelos que tenho aqui encostados para experimentar o site. O primeiro deles é um Ericsson R320s que poderia até ir para um museu tamanha antiguidade! E a parte mais incrível é o que o celular ainda funciona, apesar da bateria durar no máximo meia hora. A resposta que obtive do site foi:

“Questo cellulare non è più quotato, però invialo lo stesso, provvederemo a riciclarlo in modo responsabile e pianteremo un albero in Cambogia per te.”

A segunda experiência foi com Alcatel, a pior marca de celular que já tive, comprei quando cheguei na Italia e ele parou de funcionar em menos de um ano. Como era uma complicação obter assistência técnica, eu simplesmente deixei para lá. Acabei me rendendo ao meu antigo Nokia comprado no Brasil, descobri como desbloqueá-lo e funciona até hoje perfeitamente!

Mas voltando ao teste. Como não sabia o modelo do Alcatel, procurei nas fotografias disponibilizadas pelo site até achar lá: OT320. Resultado: vale zero euros.

BRASIL NA ITALIA testou – Parte 2: Reciclando o celular

Decidi reciclar por enquanto apenas o modelo da Alcatel. Cliquei no botão “Ricicla ora!”. Apareceu a tela do meu carrinho de compras (“carrello”). Lá apertei “Prezzo di Vendita” para finalizar a venda a zero euros.

Em seguida tive que escolher o tipo de envio. Existiam três opções. A primeira era imprimir uma etiqueta e usar o meu envelope. A segunda era para o caso que eu já possuísse uma busta preaffrancata (envelope já selado) e a terceira para pedir a tal busta preaffrancata. Para não ter que pagar as despesas de envio, recomendo selecionar a terceira opção.

O próximo passo era completar as informações com meus dados pessoais. Admito que odiei ter que deixar o meu Codice Fiscale. Mesmo assim preenchi tudo e cliquei INVIO. Abriu-se então uma página de agradecimento com meu número de referimento. Agora devo esperar o envelope e pronto: minha casa ficará com uma inutilidade em menos. Ufa! Me sinto mais leve.

Conclusão

Honestidade acima de tudo: fiz a doação do celular para me ver livre de um trambolho sem prejudicar tanto o ambiente. Escolhi acreditar que eles reciclarão o aparelho de modo a causar o menor dano possível ao ambiente. Eles me prometeram ainda plantar uma árvore no Camboja. Bem, essa eu gostaria de ver! Eu adoraria receber um feedback do jornal com fotografias da equipe Epolis plantando várias árvores. Muito embora eu acredite que os problemas do Camboja sejam muito maiores do que uma simples árvore. Se você está na dúvida se deve colocar também a carregador de bateria, eles me informaram que basta o aparelho e sua bateria. Não é para colocar nenhum acessório. Ok, mais um carregador de celular para minha coleção…