Qual é a imagem do seu país natal no exterior: positiva ou negativa? Na internet não faltam textos de brasileiros reclamando que a imagem do Brasil pelo mundo não condiz com a realidade, que existem muitos estereótipos… até uma blogagem coletiva sobre a mulher brasileira rolou há tempos para dar uma visão mais realistica de como realmente somos (eu participei com este post).

O que eu queria dividir com vocês é: queridos, este não é apenas um problema do Brasil (embora eu pessoalmente defenda que a imagem do Brasil no exterior tem melhorado muuuuito! Aliás, não sou eu que digo, é o The Economist, leia aqui. Ainda bem, melhor para nós, expatriados!).

Estava lendo hoje a revista semanal A (n.45 – 12 de novembro) – que por sinal chega sempre na minha casa com uma semana de atraso! – e me chamou a atenção a entrevista com Laura Pausini

Laura Pausini e a imagem da Italia no exterior

Em determinado momento da entrevista a jornalista pergunta a Laura Pausini sobre a imagem da Italia no resto do mundo e faz a fatídica pergunta: “tiram sarro dos italianos?” e Laura responde:

Absolutamente sim. A verdade é essa. Em todos os jornais, em todos os países. Em geral somos associados aquilo que acontece no nosso país, somos superficiais, estúpidos, pensamos apenas em comida, a sexo e a mulheres. Eu me sinto muito ofendida em algumas matérias que li. Nos programas de televisão, até naqueles mais sérios, que deveriam promover a cultura, vai ao ar uma entrevista de uma pessoa que conta como vai para a cama com o nosso primeiro ministro. Existem tantos italianos que poderiam ser entrevistados e falo de cientistas, médicos, até políticos, mas estes não são notícia. Não acredito que seja justo. Do nosso espetáculo, dedicado a Abruzzo (região italiana onde aconteceu o terrível terremoto), apenas o Paris Match fez um especial. Deveria ser uma notícia o fato que existem 50 cantoras mulheres que se uniram e arrecadaram quase um milhão e meio de euros para as pessoas desamparadas pelo terremoto! E não é uma notícia o fato que a Italia inteira se mobilizou por Abruzzo? Estas são notícias que falam do caráter de uma nação. Mas preferem falar dos lençóis e de um quarto…

(esta é uma rápida tradução da entrevista, para ler a versão original clique na imagem).

13 COMENTÁRIOS

  1. A Pausini disse: " Em geral somos associados aquilo que acontece no nosso país, somos superficiais, estúpidos, pensamos apenas em comida, a sexo e a mulheres."

    Ah se fosse so'isso….. Supercial foi a anàlise mixuruca que ela fez sobre aquilo que pensam a respeito dos italianos….Eu ja' ouvi, e li coisa muuuuito pior sobre essa questao. MAS ESPERAR O QUE? è italiana ne'???? e como a maioria dos italianos, ela se refuta veementemente de encarar a realidade, e alardear aos 4 ventos as mazelas do pròprio paìs.
    Pausini e' famosa por ser quase cega de tao patriota. Outro dia vi uma sua entrevista, onde ela dizia que nao gosta de falar mal da Italia. E NEM PRECISA NE', MEU BEM????? Até porque a imagem da Itàlia e dos italianos, là fora, é mais suja do que pau de galinheiro ( e nao é de hoje).
    Alem do mais, um italiano fala mal da Italia so' entre italianos.
    Mal-humorados de nascença,reclamam pra caramba, passam o dia matraqueando e mal-dizendo o que hà de errado, embora NADA façam para mudar de situaçao. E ainda hà quem pense que sò brasileiro é acomodado, alienado e apàtico.
    A Pausini, nessa revista, simplesmente nao contou a història como se deve.
    *********************************************
    Da' uma olhada no que os americanos pensavam do povo italiano ha' algum tempo atràs( claro que atualmente, o contexto e' outro, mas mesmo assim, ainda hoje nos Estados Unidos, os italianos nao gozam de boa reputaçao e sao colocados na mesma categoria que os latino-americanos. E quem bem conhece os EUA, sabe muito bem que, por là, nenhum latino-americano e' bem visto).

    PS: Qualquer semelhança com o que os italianos hoje pensam dos imigrantes e' mera coincidencia:

    " Geralmente sono di piccola statura e di pelle scura. Non amano l’acqua, molti di loro puzzano perchè tengono lo stesso vestito per molte settimane. Si costruiscono baracche di legno ed alluminio nelle periferie delle città dove vivono, vicini gli uni agli altri. Quando riescono ad avvicinarsi al centro affittano a caro prezzo appartamenti fatiscenti. Si presentano di solito in due e cercano una stanza con uso di cucina. Dopo pochi giorni diventano quattro, sei, dieci. Tra loro parlano lingue a noi incomprensibili, probabilmente antichi dialetti.
    Molti bambini vengono utilizzati per chiedere l’elemosina ma sovente davanti alle chiese donne vestite di scuro e uomini quasi sempre anziani invocano pietà, con toni lamentosi e petulanti. Fanno molti figli che faticano a mantenere e sono assai uniti tra di loro. Dicono che siano dediti al furto e, se ostacolati, violenti.
    Le nostre donne li evitano non solo perchè poco attraenti e selvatici ma perchè si è diffusa la voce di alcuni stupri consumati dopo agguati in strade periferiche quando le donne tornano dal lavoro. I nostri governanti hanno aperto troppo gli ingressi alle frontiere ma, soprattutto, non hanno saputo selezionare tra coloro che entrano nel nostro paese per lavorare e quelli che pensano di vivere di espedienti o, addirittura, attività criminali…

    …Si privilegino i veneti e i lombardi, tardi di comprendonio e ignoranti ma disposti più di altri a lavorare.
    Si adattano ad abitazioni che gli americani rifiutano purchè le famiglie rimangano unite e non contestano il salario. Gli altri, quelli ai quali è riferita gran parte di questa prima relazione, provengono dal sud dell’Italia.
    Vi invito a controllare i documenti di provenienza e a rimpatriare i più. La nostra sicurezza deve essere la prima preoccupazione.

    (Ottobre 1912 – Dalla relazione dell’Ispettorato per l’Immigrazione del Congresso americano sugli immigrati italiani negli USA)"

    Viu?
    Mais uma prova de que so' quem vive num paìs pobre e desinformado como o Brasil(e outros) e' que estende tapete vermelho pra esses arrogantes sem eira nem beira.

    Um abraço e um dia maravilhoso pra vc Barbara

  2. @ cazzi tuoi

    Não vejo porque disseminar o preconceito, ninguém ganha nada com isso. Se formos falar sobre como cada país é visto no exterior pela ótica do preconceito podemos escrever um livro imenso… E isso não faz da gente seres melhores para o mundo.

    Se você acha que agem contra você com preconceito, não repita o erro.

    Um abraço! 🙂

  3. O preconceito de que sou vitima e'simplesmente o de ser estrangeiro proveniente de um paìs como o BRASIL. Mas isso nao me abala nem um pouco, ate' por que estou por aqui, em condiçoes priviligegiadas(por assim dizer), e da raça italiana eu nao preciso para nada.
    Mesmo assim, isso so' acontece quando abro a boca e meu sotaque me "denuncia".
    Nao sou revoltado porque me maltratam ou sei la' o que. Falo simplesmente em nome de quem nao pode camuflar-se, como os negros e asiaticos por exemplo. Nao sou o tipo de pessoa que pensa (se pra mim ta' tudo bem, o resto que se foda)como muitos que conheço por aqui…….Como eu nao suporto injustiça, sobretudo contra os mais fracos e oprimidos……acabo tomando para mim, as dores dos outros.

  4. ah e nao esqueça que vc e' paga para falar bem deles e fechar ambos os olhos para as falcatruas e maracutaias …sorte a sua….eu nao conseguiria nem se me pagassem.
    Alem disso, sua otica e' focada somente na sua regiao. Viaje por toda a Italia e depois OBJETIVAMENTE, opine, se quiser ser sincera e respeitosa com seus leitores.

    Nao vejo a hora de terminar meus estudos e retornar a meu paìs. Aqui, eu nao retorno nem como turista.

  5. Isso não tem nada a ver, eu escrevo sobre há Italia há quase 3 anos neste blog e fui contratada apenas há 10 dias. O que você está falando é uma bobagem sem tamanho. Além disso, não tenho a menor intenção de começar a mentir. Não preciso disso, absolutamente.

    Se fosse mal intencionada, bastaria cancelar a sua mensagem. Leva um simples segundo. Eu sou a favor do debate de idéias. Como também acredito que existem pessoas fantásticas e repugnantes em todo o mundo.

    Prefiro viver rodeada de pessoas fantásticas, é verdade. E acredito que a gente pode melhorar as coisas fazendo a nossa parte e fazendo o bem,não através do ódio e da raiva. Sua mensagem transmite essa raiva, perceba você ou não. Mi dispiace.

    Você é um cidadão livre e tem todo direito de ir aonde quiser, viajar para onde quiser. Aproveite e vá para onde possa ser feliz e dissemine sua felicidade para o mundo. Será um prazer acompanhar um percurso em busca a felicidade.

  6. Sei bem o que é ser alvo de preconceito por ser brasileira. Morei 5 anos em Portugal, depois que me casei com um português e lá tivemos nosso primeiro filho. Não posso generalizar, mas na época que morei lá sofri na pele quando meu sotaque denunciava minha origem, muitas pessoas diziam que as brasileiras só estavam no exterior porque eram prostitutas e só serviam para serem empregadas domésticas. Acredito que a xenofobia e o preconceito não são privilégios apenas da Itália e de Portugal, muito outros países são assim e têm este pensamento enrraigado em suas origens.
    Bjs.
    Janeisa

  7. O preconceito, no meu entender, existe em relação ao estrangeiro pobre, de modo geral,e isso existe em todo lugar…Mesmo no Brasil, gente pobre ou mal vestida e precisando de ajuda não é bem recebida em lugar nenhum, principalmente em grande quantidade…triste, mas verdadeiro, não é?
    Mas, além desse aspecto, acredito que muitos brasileiros, falando exclusivamente de nós, dão motivo para os italianos ou portugueses ou outros cidadãos acreditarem em determinadas coisas. Qual o brasileiro pensa que representa todo um país quando está fora dele, antes de agir dessa ou daquela maneira?
    Qual a imagem que o próprio país passa para o exterior? Muitos italianos nem sabem que o Brasil do Sul é muito parecido com parte da Europa! A maioria só conhece o Nordeste, aliás, tem brasileiro que pensa ser o Brasil igual de norte a sul!
    Devíamos tentar mudar essa imagem comportando-nos exemplarmente no país dos outros e exigir esse mesmo comportamento quando estrangeiros vêm ao nosso país.
    Abraço, Rosa

  8. Ninguém deve sofrer preconceito pelo país que vive, e foi isso que a Laura quis dizer na entrevista. Que na Itália acontece coisas ruins e que tem pessoas sem caráter, isso é fato. Como também é fato em nosso país. E dizer que pessoas boas, talentosas e inteligentes existem na Itália, não é querer esconder as coisas erradas e sim também mostrar que nem tudo está perdido e que as pessoas amam falar mal, mas não reparam as coisas boas. A Pausini está certa !

  9. Li os posts.Triste.Somente fui como turista para a Italia mas tenho alguns amigos e amigas brasileiros e estrangeiros que moram na Italia.Sempre pensei que fosse lenda essas historias.
    Talvez sejam sobras da 2 guerra mundial?

    Brasileiro tem que aprender a adotar o principio da RECIPOROCIDADE.

    Trate bem se trato bem.Respeito as suas leis se voces respeitarem as minhas.

    Chega de ser o anjo hippie e compreender a todos.Nao somos melhores que ninguém, mais bonitos,bonitas,simapaticos porém nao somos os piores,feios e feias e nojentos.

    Olho por olho,dente por dente.

  10. Oi a todos brasileiros e pessoas que expoem suas idèias neste blog.
    Vou contar um pouco da minha experiencia vivendo aqui na Italia,conheci meu marido 5 anos atras no Brasil,ele è italiano,infelizmente por motivos financeiros tivemos que vir a Roma,nos casamos aqui e tive que esperar um ano para receber minha permissao para poder ter direitos no pais.
    Posso dizer que de uma regiao a outra mudam as pessoas sendo de como trabalham,comportamento,humor etc..
    A saude publica e escola publica na Italia sao muito boas,meu filho no Brasil pagava pra ele estudar,nao poderia colocarlo numa escola publica no Brasil,sabemos que a saude,escola e segurança no Brasil sao pessimas,sem falar no custo de vida,para comer,vestir,comprar remèdios.
    Na Italia aluguel de apartamento e casas sao absurdas,em compensaçao para comprar um carro è barato,mas os italianos devem pagar 2 volta ao ano para manter seus carros na rua ao governo um absurdo,sendo que nos pagamos uma volta ao ano.
    Devem pagar anualmente ao governo uma taxa de uso da televisao,se vc tem 2 paga por duas,um absurdo.
    Os direitos trabalhistas nao existem,vc nao ganha vale almoço,nao ganha transporte.
    Temos idèia que o exterior podemos ficar ricos,mas nao è bem assim,so consegue quem casa ja com alguèm rico.
    Os italianos me perguntam o porque fui embora do meu pais,eles tem pensamentos das nossas praias lindas,mulheres lindas, futebol.
    Claro quando vao ao Brasil vao com euro e dobram seu dinheiro no nosso pais,fica tudo mais facil.
    Conheci italianos no Brasil tudo pensionato,ganham 1500euros que da em reais mais de 3000mil reais,nao tem filhos,vivem sozinhos,ja tem uma casa,fica mais facil tudo.
    Digo que nosso povo è melhor em todos sentidos,sinto falta do calor amigo brasileiro,aqui è dificil de ter amigos nem imagina.
    Por mais que temos dificuldades,temos sempre um sorriso no rosto.
    Digo mais nos brasileiras sao mais femininas,carinhosas,doces do que as europeias.
    Baci a tutti voi…

  11. Rosa você tem preconceito contra o povo do nordeste ,quando diz que muitos italianos só conhace o Nordeste que o Brasil do sul é muito parecido com a Europa e daí? por acaso oeuropeu é melor que o povo do Nordeste? Lembre-se todos somos mortais e pertencemos a uma só raça, a raça humana.

  12. Barbara,

    Adorei a suas matérias e a maneira como escreve. Gosto de bons jornalistas. Tenho filho jornalista.
    Tenho de ir a Itália tratar da minha cidadania, pois minha filha e netos viajam muito e precisam. Quais os cuidados que você me aconselha?
    Um abraço e muito obrigada

    Loyva Girardi

  13. É o mesmo que ocorre com o Brasil: tudo é sexo, prostituição, favela, etc… Sobre o Dr. Nicolelis, neurologista brasileiro indicado ao Nobel, não há nem sinal de notícia…

Comments are closed.