No meio do caminho entre Florença e Lucca encontra-se Pistoia, uma cidade de 90 mil habitantes que será a Capital Italiana da Cultura em 2017. Aqui acontece um dos maiores festivais de música da Itália, o Pistoia Blues.

Pistoia-vistaA primeira vez que estive na cidade foi há uns 10 anos durante um show do Caetano Veloso (no qual cheguei quase no final porque peguei o trem errado, ops!). Passei pela cidade diversas vezes, inclusive para levar a minha filha Gaia no zoológico de Pistoia (na época eu estava grávida da Aurora). Mas foi só em junho de 2016 que fiz um verdadeiro tour em Pistoia durante o evento #‎BuzzMeetFriends organizado por TuscanyBuzz ao lado de “insiders” de Pistoia como a simpática Michela Ricciarelli de Passion4Tuscany

Meu passeio em Pistoia

Tínhamos aproximadamente 5 horas livres para passear em Pistoia: nosso tour começou na Piazza Duomo, uma grande praça onde estão reunidos alguns dos edifícios mais importantes da cidade símbolos do poder religioso, judiciário e político. Nós iniciamos pelo Palazzo Comunale, sede da prefeitura de Pistoia.

Fachada do Palazzo Comunale
Fachada do Palazzo Comunale

Quando você estiver lá procure na fachada uma cabeça de mármore preta, à esquerda da janela principal: ela representa o rosto de Filippo Tedici que em 1315 foi um traidor da cidade, entregando-a aos inimigos. Aliás, você vai descobrir que a história de Pistoia é cheia de batalhas, traições e costumava-se dizer que aqui não dava para confiar nem em uma pessoa da própria família. Se você encontrar um pistoiese, desconfie hein! (brincadeira, claro, porque as pessoas que conhecemos da cidade foram fantásticas com a gente!).

A cabeça de mármore na fac
O rosto de um traidor, lembrado mais de 700 anos depois…

Ainda antes de entrar no edifício você pode notar uma outra curiosidade: a antiga forma de medida na Toscana, o braço duplo, que como você vê abaixo era muito maior do que o metro que usamos hoje.

Pistoia-medidas-toscanaDentro do Palazzo del Comune você vai poder notar a beleza da arquitetura interna, das escadarias até as esculturas e obras de arte espalhadas pelo edifício. Ainda lá dentro você poderá visitar o Museu Cívico de Pistoia, inaugurado oficialmente em 1922 com 317 obras expostas criadas entre os séculos XIII e XIX, especialmente obras religiosas.

O museu abre de quinta à domingos e feriados das 10 às 18 e o ingresso custa Euro 3,50. Chamou particularmente a minha atenção uma obra de 1300 que representava a Madona com a criança (e alguns santos que não incluí na foto).

Pistoia-destaque-obra-1300

Saindo do Palazzo Comunale caminhamos alguns passos até a Catedral de S. Zeno, onde descobri que Pistoia é a Cidade dos Órgãos: lá tem um dos exemplares de um órgão Tronci que está entre os mais bem conservados da província. A tradição deste instrumento vem desde o século XVIII, quando os dois mais famosos construtores, os Agati e os Tronci produzem os mais belos instrumentos que são vendidos para diversos lugares da Itália, da Europa e até das Américas. Quem tiver interesse em assistir um concerto de órgão pode ficar de olho no site da Fondazione Accademia di Musica Italiana per Organo.

Pistoia-catedral-san-zeno
Interno da Catedral de S. Zeno

Mas a parte que eu mais gostei do nosso passeio em Pistoia foi subir até o alto do Campanário da catedral de S. Zeno, com seus 67 metros de altura . Este antigo campanário erguido no século XII tem escadas com degraus altos e irregulares e passagens estreitas em diversos trechos: não é recomendável para pessoas de idade ou com dificuldade de locomoção, muito menos para grávidas nos últimos meses de gestação. Como eu ainda estou podendo, lá fui eu até o topo, toda empolgada.

Quer subir até o alto do campanário? Acontecem duas visitas guiadas por dia, às 12:00 e às 15:30, aberto todos os dias entre julho e setembro; apenas sexta, sábado e domingo entre outubro e março e diariamente exceto segunda entre março e junho. Os ingressos custam 7 euros e é possível obter informações pelo cel. +39 392.6940315

 

Pistoia-campanile
O campanário da catedral de S. Zeno

Lá do alto você vai poder admirar belezas como a Basílica della Maddona dell’Umiltà, a mais importante construção da época do Renascimento em Pistoia. Quem já visitou Florença vai notar que a cúpula da basílica se parece muito com a catedral fiorentina: não é mera coincidência.

Pistoia-basilica-santa-maria-dell-umilta

Outra grande beleza que você poderá admirar do alto  é o Battistero di S. Giovanni in Corte, bem em frente ao campanário.

Pistoia-Batisterio-toscana
O Batistério de Pistoia

Depois de descer do campanário a boa pedida é tomar um delicioso gelato italiano na sorveteria MANI ao lado esquerdo do batistério: você vai perceber a diferença da qualidade pela cor do sorvete: o pistache não é verde fosforescente como em muitas sorveterias, e sim de um verde claro pastel. Foi uma ótima indicação da Michela que conhece inclusive os proprietários MAssimo e NIcola.

Pistoia-gelato
Depois de subir no campanário, nada como um gelato italiano da sorveteria MANI

Continuamos passeando pelas ruas da cidade, passamos pelo mercado e terminamos o dia com direito a histórias sanguinolentas do passado de Pistoia contadas pela Anna, que ao final da narração nos serviu um aperitivo a base de “carne e sangue” no Magno Gaudio como você pode ver na foto abaixo.

Pistoia-aperitivo-sanguinolentoFicou faltando conhecer ainda bastante coisa em Pistoia: a começar pelo Monumento Votivo Militare Brasiliano. Taí um bom motivo para voltar logo a Pistoia, que fica a apenas 40 km de Florença…

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.