Imagino que meus leitores mais assíduos tenham percebido que evito tocar em temas muito polêmicos como “extradição de Battisti” ou a “brasileira grávida atacada na Suiça”. Essa escolha era motivada pela vontade de não aumentar o rancor entre uma parte ou outra. Não gostaria de criar aqui a raiva contra o Brasil, Italia, ou Suíça. Meu objetivo sempre foi o de conciliar o Brasil e a Italia, unir, dialogar. Até porque, felizmente são casos raríssimos e isolados e não devem servir como símbolo ou estereótipo.

No entanto, recebi um e-mail da Vicky que me deixou com a consciência pesada. Ela intimava a ler seus últimos artigos no Vicky MundoAfora – Globoonliners, coisa que faço sempre com muito prazer. E no seu mais recente artigo dizia:

Por que ninguém se interessa?

Voce é omisso? Este post nao é um daqueles “envie para todos os seus contatos porque a Microsoft vai dar R$0,000000001 por cada email enviado.” Se trata sim da vida de uma crianca que esta sendo privada da convivencia com o verdadeiro pai para ficar na mao de avós e padrasto criminosos. Criminosos porque conivencia com sequestro é crime. Ou se preferir, chame pelo nome “oficial” – Abducao e retencao ilegal de menor no país. Faz diferenca o nome com o qual é identificado legalmente o caso? NAO. Continua sendo um crime injustificável. Leia o artigo do Observatório da Imprensa sobre o porque da omissao da imprensa brasileira sobre este escandalo internacional, muito mais grave e sério do que a autoflagelacao de uma desequilibrada na Suica.”

Vicky se referia ao caso do americano que não via o filho de 8 anos há quase 5 anos! A história é alucinante: sua esposa brasileira, Bruna Ribeiro, foi passar as férias com o filho no Brasil a cinco anos atrás e não voltou mais para os EUA. Pior que não voltar para o ex-marido foi não ter permitido que o pai tivesse contato com a criança. E azar dos azares, essa Bruna, casou novamente no Brasil, ficou grávida e na hora de dar a luz morreu! O que acontece com o menino americano? Finalmente vai para os braços do pai americano? Não. O padrasto pede na justiça a “paternidade afetiva” e o verdadeiro pai tem participado de entrevistas nos principais veículos de comunicação americanos contando o absurdo de ser privado da convivência do próprio filho. A polêmica entre as decisões judiciais está rolando na internet.

O caso, no entanto, não teve tanto destaque na mídia brasileira e a Vicky está convidando as pessoas a falarem sobre o tema. A mobilizar a opinião pública para ajudar esse pai americano que vive a situação mais absurda dos absurdos.

A minha opinião

Acredito que se as pessoas tivessem bom senso e conseguissem resolver seus problemas dentro dos quatro muros, não existiria uma situação caótica como essa. Fico tentando imaginar o que aconteceu para que a mulher fugisse dos EUA e não voltasse nunca mais. Para que a mulher evitasse que o pai do seu filho visse o seu filho. Teoricamente era o homem que ela amou, como pode tratar desse modo alguém que amou? Com quem teve um filho! Com quem foi casada!
Como pode o padrasto entrar na justiça pela guarda de uma criança, consciente que não é o pai do menino? É uma situação delicada e difícil de entender. A única coisa que sei é que a solução para tudo é o amor. Onde existe amor, coisas do tipo não acontecem. Como disse há pouco o Benigni durante sua apresentação no Festival di Sanremo, o amor é a única solução…

ATUALIZAÇÃO 13/03/2009:
Publico abaixo o link para a carta resposta do padrasto brasileiro:
http://oglobo.globo.com/rio/ancelmo/dizventura/texto.asp
Leiam e tirem suas próprias conclusões. O texto responde a muitas das minhas perguntas.
De tudo isso tiro uma lição: em boca fechada não entra mosca.

11 COMENTÁRIOS

  1. Obrigada pelo post!!! Entao a intimacao funcionou? :-))))

    Mas, falando sério – O que acontece é que muitas vezes as pessoas falam: “Sabe-se lá o que aconteceu para essa mae querer fugir com o filho e nao deixar o pai se aproximar mais”. Tudo bem, só que essa mae morava com a família nos EUA onde, se ela fizesse uma denúncia de qualquer ordem que desabonasse a conduta do marido, a justica daria ganho de causa para ela e proibiria o pai de se aproximar da crianca. Simples assim, e ela iria para o Brasil fazendo tudo dentro da lei. Mas nao foi isso o que aconteceu. Leia em BringSeanHome.org

  2. Eu acho que se o blog deveria evitar esses assuntos polêmicos. Para estas discussões existem outros espaços, nos quais não se tratam dos assuntos que usualmente são vistos aqui, como questões de viagens, moradia e dia-a-dia italiano. Senão vamos acabar discutindo a questão da eutanásia, do aborto. Assuntos polêmicos são aqueles que apaixonam as pessoas em pólos opostos e irreconciliáveis, gerando discussões inflamadas.
    Outra coisa que gostaria de ver evitado aqui seriam esses apelos que rolam na Internet e que são tão bem-intencionados quanto inúteis.
    Claro que a saída é o descadastramento, os incomodados que se mudem, mas não gostaria de fazê-lo pois encontro aqui coisas muito úteis.
    (Aliás, como é que se faz para se descadastrar, se for o caso?)

  3. @Vicky
    Foi uma exceção em sua homenagem. :)Olha aí embaixo o povo reclamando que tô fugindo do tema do blog.

    @Rogerio
    Na verdade o objetivo do site é exatamente falar sobre viagem, moradia e dia-a-dia italiano. Bom saber da sua opinião e espero continuar com a sua contribuição e participação por aqui.
    No caso você resolva se descadastrar, é bem simples. No final de cada e-mail que você recebe existe a palavrinha unsubscribe. Clica ali e está feito. Aqui só assina quem quer e pelo período que quer. Liberdade acima de tudo!

  4. Realmente recebemos tantos desses apelos na internet e não podemos fazer muito. Em meus blogs também não os coloco. Se por acaso achar que vale a pena, faço os encaminhamentos por fora. um beijo e concordo com tua opinião sobre o caso.É uma pena,mas…chica

  5. Eu acho que de vez em quando não tem problemas se quisermos publicar assuntos polêmicos e que fogem do tema principal de um blog. Afinal aqui é um espaço dedicado às nossas opiniões e é livre.

  6. Amei o blog, pena não ter conhecido-o antes de ir a Itália, mas mesmo assim deu pra curtir tudo.
    E por sinal amei a Itália, quero voltar em breve.
    Roma e Firenze são fascinantes, sem contar Veneza, Milano,enfim todos os lugares por onde andei foram maravilhosos.
    Bjs e parabéns

  7. Ô dono(a) do blog: não tens nome, não?
    Tu te referes a quem te escreve pelo nome, mas nós não podemos ter essa prerrogativa. rsrsrs
    Tenho recomendado o blog para amigos amantes da Itália.
    Um abraço.
    Rogerio

  8. Bom saber a opinião de cada um assim vamos traçando uma direção a seguir.
    —————————————–

    Olha, temos uma nova comentarista por aqui. Seja bem vinda Fabiana!

    Quer dizer que você acaba de voltar da Italia? O que foi que mais chamou sua atenção aqui no Belpaese?

    Conta mais pra gente da sua viagem!

  9. @Rogerio
    Fico contente que esteja recomendando o site. Quem sabe não criamos assim uma grande comunidade de informações sobre a Italia? E informação em movimento, com a opinião de várias pessoas que passam por aqui e contam as novidades. 🙂
    Olha só, essa questão do meu nome acabou criando tanta polêmica que, para acabar com a polêmica, pode me chamar de Barbara que eu respondo. rs!
    abs,

  10. Se Barbara não é o verdadeiro, poderíamos adotar um nome simbólico. Se fosse na França, seria Marianne. Mas se há um símbolo humano da Itália, este parece ser Dante. Daí prefiro chamá-la de Beatriz. OK?
    Bia (já tomando confiança) estou planejando seriamente viajar agora em março ou abril para a Italia. Meu problema no planejamento é o que os franceses chamam de ‘embarras des richesses’. Não sei como se diz na Itália, mas é quando num banquete há tanta comida que se fica sem saber o que comer.
    Caiu-me nas mãos um guia de Florença, promovido por uma ‘Giunta regionale toscana’, com quase 300 páginas, que pretende indicar todos os locais de interesse histórico e religioso na cidade, minuciosamente descritos (aliás existem ao todo 25 volumes cobrindo toda a Toscana). Como isso me interessa muito, imagino que deveria ficar no mínimo umas duas semanas para ver parte disso.
    Não sei se acompanhas o programa Passepartout do Philippe Daverio, na RAI3 aos domingos. Pois cada programa destes, sobre arte e história, indica sempre inúmeros lugares de interesse.
    Assim, não só posso aprofundarme em cada cidade como tenho um amplissimo espectro geografico de ‘imperdíveis’ que não estão nos roteiros normais, como Mantua e Ravenna, por exemplo.
    Sem falar de cidades como Milão, tradicionalmente desprezadas por turistas, que transformam-se, com as dicas do programa, em atrações para quem tem interesse em arte, história e arquitetura.
    Na verdade não estou pedindo orientação, é uma espécie de desabafo, pois me cansa só a perspectiva de organizar uma viagem de forma a lamentar o menos possível as oportunidades perdidas.
    Algum comentário estimulante?

  11. Embora não seja objetivo do seu blog colocar questões polêmicas, esta questão do menino americano é bem emblemática. Pais de nacionalidades diferentes se desentendem e depois alguns querem ficar com os filhos no país de origem sem observar as leis dos países em que se casaram e residem. Para tratar disso há a Convenção de Haia que prevê a devolução imediata da criança.Mas, como tudo que envolve a justiça muitas vezes demora. E nesse caso está demorarnado demais. Infelizmente. Mas já houve progresso com a permissão do contato do pai biológico com a criança. A questão é mais complexa do que parece. E o tempo só contribui para deixar as coisas mais difíceis. Mas o Supremo Tribunal Federal do Brasil está preocupado com a situação e estuda medidas para que esses casos sejam resolvidos com maior rapidez.No blog adreferendum.net há mais informações a respeito. Parabéns pelo seu blog, por suas excelentes informações e pelas ponderações de seus comentários. Isso garante seu sucesso.

Comments are closed.