Preconceito na Italia: existe?

Preconceito na Italia: existe?

64

Tenho notado que uma das questões mais discutidas aqui no blog recentemente é sobre o tema de preconceito e achei que era já o caso de criar um canal – este artigo – exatamente para discutir isso. O preconceito existe? Ele é regra? É exceção? Se existe, qual é a melhor maneira de lidar com ele. Vamos trocar idéias e ver para onde esta conversa pode nos levar…

Começo publicando uma mensagem do Brenno que foi deixada aqui no site em formato de comentário:

Ola a todos,
Estou na Italia ha dois anos, legalmente, trabalho e estudo.
Acho que deveriamos comecar a falar mais sobre a falta de respeito dos italianos aos que vem de outros paises nao comunitarios (ate comunitarios).
Dia apos dias somos maltrados, desrespeitados como se fossemos animais. As mulheres sao putas e os homens sao ladroes clandestinos.
Basta que vc nao fale o Italiano perfeitamente (impossivel a um brasileiro, por causa da nossa impostacao de voz) que logo te perguntam de onde vc vem e comecam a diminuir o nivel de educacao na relacao formada ou que esta se formando.
Formado pela UNICAMP em biologia, passei 1 ano providenciando documentos no consulado Italiano de SP para depois de me inscrever em um curso de doutorado nao ser aceito pois os criterios de avaliacao usados pela Unicamp nao correspondem aos deles aqui!!! Palhacada, era mais facil dizer para eu nao participar do concurso.
Breve voltarei para o Brasil e serei muito diferente com os europeus que cruzarem o meu caminho. Muito mais frio, menos simpatico e amavel!!!
Obrigado
Brenno

Devo dizer que eu sou muito mais cautelosa a tratar o tema do preconceito porque tendo a acreditar simplesmente que a maioria dos funcionários italianos faz exclusivamente aquilo que são pagos para fazer e que está estabelecido em um contrato assinado quando começam a trabalhar. Uma boa parte, não faz uma vírgula a mais do necessário.

No caso das universidades, infelizmente, os títulos brasileiros não são reconhecidos na Italia e isso é uma questão de pactos e relações entre governos e universidades, um nível muito acima do simples atendente. Se os acordos não estão estabelecidos, o carinha que te atende na universidade não vai fazer mágica.

Sobre brasileira ser tratada como prostituta na Italia, devo dizer que nunca fui tratada como prostituta nos quase 5 anos que vivo em Florença. Mas escuto muita gente repetindo essa frase: será verdade ou a gente repete por repetir?

O que eu não nego é que existe sim uma barreira cultural e eu explicaria como uma grande dificuldade de adaptação aos hábitos italianos. A lógica é outra, as regras são outras, os hábitos são outros, a forma de se expressar e se relacionar é outra.

Diferenças culturais

Quando estava procurando casa aqui em Florença, no início deste ano, fui visitar dezenas de apartamentos em busca daquele “ideal”. Algumas vezes chegávamos ao apartamento através de agência, outras através de anúncios no jornal. Mas nessa vez em especial tínhamos ouvido falar que em um determinado prédio tinham um apartamento vago.

Encontramos um morador por acaso do tal prédio, ele nos deu o sobrenome do proprietário do apartamento disponível e nós fomos lá tocar o interfone para saber mais informações. O fato estranho é que a pessoa que nos respondeu, uma mulher, abriu o portão e nos convidou para entrar na casa dela e esperar o marido, que estava para chegar do trabalho e nos daria mais informações.

Oras, o fato é estranhíssimo porque ela não tinha idéia de quem éramos e nos fez entrar e sentar na sala dela, ao lado dos filhos dela. Advinha? Ela era brasileira! Brasileira de Fortaleza, super simpática, um amor de pessoa.

De modo geral, um italiano jamais faria uma coisa semelhante. Talvez mal nos respondesse através do interfone, talvez descesse para conversar com a gente fora do prédio, talvez pegasse nosso número de telefone. Essa confiança no outro, no desconhecido, é uma coisa rara. Não é questão de bondade ou de maldade. São formações diferentes, hábitos diferentes. Acho que se a gente não levar isso em conta, fica muito difícil entender.

Outra língua

Quando digo: é preciso estudar muito uma língua, me refiro que é necessário aprender muito mais do que como pronunciar palavras. É preciso conhecer a nova cultura. Mesmo depois de todos esses anos, às vezes eu acredito que me falaram uma coisa e me disseram outra. Acontece. E eu só percebo que houve esse erro de interpretação porque meu marido italiano, que me conhece bem, consegue captar esses momentos de “diferenças culturais” e me ajuda.

Às vezes as palavras e as frases entendemos perfeitamente. Mas pensamos com uma outra ótica. Vou tentar explicar com um outro exemplo. Uma vez eu tive que responder um teste sobre a seguinte situação hipotética: um cidadão acaba de fazer uma viagem internacional a trabalho. Chegando no país de destino é assaltado e acaba não conseguindo fazer sua apresentação de trabalho. O que você diz para o cidadão?

Bem, na minha cabeça de paulistana maníaca é impensável que uma pessoa faça um vôo intercontinental para trabalhar e chegue no seu destino e não consiga cumprir a missão. Para mim o cara é pouco preparado. Ele devia ter o material da sua apresentação em Google Docs, em uma pena USB, devia estar mais atento se carregava um material assim importante.

Quando dei essa minha opinião teve um choque na sala! Todos os outros participantes italianos tinham ficado com pena do cara que foi assaltado e acharam que era natural que ele não tenha conseguido completar a missão, tinham palavras muito mais doces e de compreensão. Saí desse teste super mal porque cheguei a conclusão que sou realmente uma pessoa insensível.

Pace, amore e gioia infinita

Voltando a mensagem deixada pelo Brenno… qual seria a melhor solução no caso de preconceito? Tratar mal os estrangeiros que chegam no Brasil? Dar o troco na mesma moeda? Responder na hora para aquele determinado caso individual?

Espero que se possa criar uma ótima discussão, mesmo e inclusive com aqueles que discordam da minha opinião.

PS. Aproveito para convidá-los a ler o interessantíssimo artigo de Sandra Biondo sobre o irritante uso da palavra “viados” por alguns jornalistas italianos…

Barbara Bueno é uma jornalista brasileira que mora em Florença desde março 2005. Foi para a Toscana em busca das suas origens italianas; em janeiro de 2007 criou o BRASIL NA ITALIA. Em 2010 foi a responsável pelo blog oficial da Região Toscana escrito em inglês (http://www.turismo.intoscana.it/allthingstuscany/aroundtuscany) e atualmente trabalha com comunicação digital e tradicional. Dúvidas sobre a Italia são respondidas exclusivamente online. Escreva um comentário abaixo ou publique sua pergunta aqui.

64 COMENTÁRIOS

  1. Boa Tarde Barbara,
    A propósito das "virtudes e predicados" que a mulher brasileira possui na opiniao de italianos, e estrangeiros em geral, sugiro que vc leia os comentários deixados por quem vem assistindo ao video abaixo:

    http://www.youtube.com/watch?v=lCo4f4aFGKM

    ….E Para quem tiver tempo e paciência de ler as inúmeras páginas disponíveis, tem também as pérolas escritas por quem tem visitado o blog:
    http://www.letterealdirettore.it/le-ragazze-brasiliane/

    Do Google, digitando as palavras
    "RAGAZZE BRASILIANE", boa coisa nao sai. Se isso nao é preconceito, eu nao saberei que outro nome dar. Se eles tem, ou nao, razao em atribuir certos adjetivos às brasileiras, aì é outra història. Algumas fazem por merecer.

    Recentemente, falando a respeito disso com alguns conhecidos, alguns me relataram ter filhos adolescentes que começam a esconder dos colegas de escola que a mae é brasileira, porque os meninos PEGAM PESADO nos modos como se referem e fazem piadas com as brasileiras.
    Isso é grave cara! Imagina ter um filho que se envergonha de vc, e duas origens!

    Qto aos homens brasileiros…nunca ouvi nada de muito grave ou ofensivo sobre eles.

  2. OOPS, EU QUIS DIZER:

    "Isso é grave cara! Imagina ter um filho que se envergonha de vc, e DE SUAS origens! "

  3. Babi

    Os dois anos que moro em Firenze, ja tive diversos problemas por ser brasileira. Eles se aproximam da gente, no onibus, no ponto de onibus… e conversam gentilmente e educamente. A gente brasileiro, que gosta de conversar e eu principalmente por querer praticar a lingua, respondo a todos que se aproximam de forma educada. Sou incapaz de ignorar alguem que fala comigo. E quando eles perguntam da onde eu venho.. ai danou-se! Se falo que sou brasileira, tenho problemas… Proposta indecorosas… uma vez, um italiano, que era por sinal casado, me seguiu ate a porta de casa. Eu desisti de falar que sou brasileira. Quando algum italiano me pergunta da onde venho, digo que sou argentina… a partir dai nunca mais tive problemas.

  4. E o preconceito, existe sim… Eu ja fui vitima dele, aqui mesmo em Firenze, mais precisamente na Oviese da Piazza Dalmazia. O gerente simplesmente chegou perto de mim e pediu para eu me retirar da loja proque senao ele chamaria o carabinieri. Eu nao estava suja, mal vestida e nem despenteada. E nao tinha roubado nada…Alias, nao daria nem tempo, pq eu tinha acabado de entrar na loja. Ele apenas colocou o olho em mim, se aproximou e me mandou embora como se eu fosse um cao sarnento. Claro que eu nao sai, e mandei ele chamar o Carabinieri. Fiz um escandalo, e ele nao chamou.. entao chamei eu mesma.

  5. Quando o carabinieri chegou e eu contei tudo que tinha acontecido, ele simplesmente negou tudo dizendo que so tinha se aproximado de mim pra perguntar se eu precisava de alguma ajuda e o pior de tudo, ele chamou uma funcionaria, que testemunhou a favor dele, eu como estava sozinha, era a minha palavra contra os dois. No final nao registrei a queixa, pq o carabinieri disse que eu precisava de testemunhas… e ninguem quis testemunhar a favor de uma extracomunitaria.

  6. Conselhos para quem sofre ou ja sofreu de racismo na Italia:

    1o. de tudo, voce tem que conseguir testemunhas! Depois denuncie! Nunca abaixe a cabeça… responda sempre e faça o outro saber que voce nao è um joao ninguem… que vc conhece a Lei e os seus direitos.

    Voce pode pedir ajuda a diversos centros contra racismo e preconceito. Toda cidade tem!

    Caso voce nao encontre na sua cidade, procure se aconselhar com o UNAR (Ufficio Nazionale Antidiscriminazioni), que pode ser contatado pelo número de telefone 800 90 10 10

    - Coletar registros, relatórios e testemunhos sobre fatos, eventos, a realidade, procedimentos e ações relativas a preconceito em razão da raça ou origem étnica;

    - Prestar assistência imediata às vítimas de discriminação, fornecendo informação, orientação e apoio psicológico;

    - Acompanhar as vítimas de discriminação aos tribunais, caso elas decidam abrir uma ação judicial para a investigação do comportamento lesivo.

    Eu ja telefonei e funciona !

  7. A minha visão sobre preconceito é a seguinte,o preconceito está nas pessoas, independentemente de onde elas estejam ou vivam, assim como no Brasil, a maioria negra ainda sofre preconceito racial, se estivessemos no périodo Brasil Colônia seria "normal", mas agora em pleno século 21 as pessoas hostilizarem e humilharem outras pela sua cor é totalmente inaceitável.Eu acredito que quando você se dispõe a morar em um outro país, você também tem que aceitar que os habitantes locais não irão pensar como você, terão diferentes hábitos de você ,é você que tem que adaptar-se a cultura local e não o contrário.

  8. Eu e meu marido somos proprietarios de um restaurante italiano a 45 km de Roma. Nossa clientela é 100% italiana. Eu não me encaixo no estereótipo de brasileira que eles conhecem (não sou morena, não tenho bundao e definitivamente sou uma bomba sexy). Essa minha caracteristica de não parecer com o que eles acham que é a mulher brasileira faz com que os clientes se sintam a vontade e falem abertamente (e em alta voz) o que pensam realmente do nosso povo, quando rola o assunto. Faz pena ver a ignorância de certas pessoas. Especialmente das mulheres que tem um despeito declarado em relaçao as brasileiras. Já ouvi conversas de deixar cabelo em pé, de machucar mesmo, especialmente sabendo que muitas delas não são por nada pudicas e muitas vezes mais depravadas do que muita brasileira por ai. Como profissional e proprietaria, tenho que seguir fazendo de conta que não ouvi e continuar fazendo meu trabalho com professionaldade. Porem devo dizer que tive otimas surpresas. Sempre no meu restaurante,tive oportunidade de conhecer muitos italianos apaixonados pelo nosso pais e que conhecem da nossa musica aos escritos mais famosos. Ou seja, gente de mente aberta.
    Não tiro o direito dos preconceituosos de PENSAR o que eles quiserem. Somos livres para pensar o que quisermos e ser ignorante é uma escolha pessoal e intranferivel. Mas externar esses pensamentos de forma pejorativa, se recusar simplesmente em estar ao lado ou tratar com desdém como já vi acontecer com os romenos, africanos, albanês etc Aaaaaaaaaaaah isso não aceito não! Ser tratado com respeito e dignidade faz parte dos direitos humanos. Não faço parte do grupo que pensa que so porque esta no pais dos outros tem que abrir a mao de sua dignidade.
    No que diz respeito a como reagir ao preconceito, eu não vou revidar quando encontrar um estrangeiro no Brasil só porque não fui bem tratada aqui. Não vou deixar o comportamento dos ignorantes influenciarem o meu.

  9. eu sou descendente, com dupla nacionalidade, já fui algumas vezes para a itália de férias, não falo uma só palavra em italiano nem em inglês, e nunca sofri nenhum tipo de preconceito ou algo parecido, e quando me perguntaram sempre falei que era brasileiro. o que eu notei é que os italianos gostaram muito das minhas notas de euro. fui muito bem tratado em todos os lugares e nunca ninguém faltou com o respeito com minha esposa, e se faltasse ia se arrepender fosse onde fosse. eu não aceitaria nenhum tipo de preconceito deste tipo. além de tudo achei as italianas mais frescas (e mais feias) que as brasileiras.

  10. Também sofri preconceito. Sou cidadã italiana pq sou descendente de italianos, então eu tenho o biotipo deles: clara, olhos azuis, cabelos lisos e tal…tanto que as pessoas se dirigem a mim prá pedir informações de localização. Então, de certas pessoas, existe de início uma atenção legal e logo em seguida já sinto o rpreconceito qdo respondo que sou "brasiliana". Depende da região, o melhor lugar da Itália para se viver sem o preconceito é Florença. Amo Florença!!! Bjo Cris

  11. Quando falam de preconceito na Italia contra brasileiros,eu realmente nao duvido, mas na minha experiencia pessoal nos meus 3 anos que vivi là, eu nao passei por nenhum tipo de constrangimento. concordo com a Anne, a maioria dos que falam desrespeitosamente sao ignorantes e apenas repetem a ladainha jà prè-concebida baseada em estereotipos. Mas também é verdade que muitas das brasileiras que vivem là fazem jus ao "consciente coletivo" deles! Morei em Roma e fui muito bem recebida, e preconceito, vamos combinar, existe em qualquer lugar do mundo! o que dizer dos nordestinos que vao viver no sudeste/sul do Brasil? Talvez seja uma boa experiencia para aqueles ( brasileiros)que sem se dar conta, tratam com indiferença as minorias do proprio pais, e là vivem o outro lado da moeda!. Sabe como é né? tem gente no Brasil que nao acredita em preconceito racial!

  12. Oi

    Eu acho muito perigoso generalizar que o italiano é preconceituoso, assim como o brasileiro "sulista" é preconceituoso com o resto do país. Enfim, falamos da Itália. Estou em Milão faz um ano e meio e nunca sofri preconceito (ou não o percebi).

    O que já me aconteceu foi muita má-educação, falta de fineza de trato por parte daqueles que trabalham com o público em geral. Mas isso acontece com todos, inclusive com os italianos.

    Aturar grosseria de vendedor de loja não é fácil. Por isso me sensibilizo com o comentário/situação da passada pela Cris, que fez muito bem em chamar a polícia, que de alguma forma fez a parte dela, mas o mal-caratismo dos vendedores dalí a impediu de seguir adiante com a denúncia.

  13. Marhol

    O pior è que o meu protagonista nao foi o vendedor nao… Foi o gerente geral da loja. Aquele engravatado que fica no escritorio, que a gente pensa que tem mente aberta e cultura. Com vendedores eu nunca tive problemas nao.

    Nao quero generalizar que o italiano seja preconceituoso… nao sao todos… sao alguns! Acredito que imigrante sofra com preconceito em qualquer pais desse mundo, inclusive no BR. Mas que o preconceito existe aqui na Italia, existe sim! Eu nao acreditava, pensava que era coisa da TV, ate que aconteceu comigo.

    E logico tambem, que quando vim aqui a turismo, antes de morar aqui, nao tive problema nenhum. Turista è sempre bem vindo… turista nao tem nacionalidade, basta ter euro no bolso para gastar por aqui. O problema è quando vc se torna residente, que disputa a mesma vaga de emprego, que disputa uma vaga num concurso! E nao adianta ter a cidadania italiana nao, para eles voce sera sempre um extracomunitario.

  14. Marhol,

    Apòs ter lido em seu comentàrio, sobre a tìpica falta de fineza italiana no trato com as pessoas em geral, fiquei me perguntando quando é que o brasileiro vai parar de achar normal ser mal-tratado là fora (com a desculpa de que ELES tratam todo mundo assim).
    Quando é que brasileiro vai reagir às grosserias a que é submetido,e começar a reivindicar aquilo que reivindicaria se estivesse no Brasil, heim? Tenho observado que o turista brasileiro, quando faz turismo doméstico, é cheio de exigências e fricotes que nao ousa sequer verbalizar, quando està num paìs que nao é o seu (Conhece aquela frase tipo: EU ESTOU PAGANDO E por isso EXIJO……)? Pois è, essa mesmo!
    Por que, sob certas condiçoes e circunstâncias, tantos brasucas resolvem baixar a cabeça, bancar a ovelhinha, e comer CALADINHO o pao que o diabo amassou, embora ESTEJAM PAGANDO(e perfumadamente diga-se de passagem); eu ainda nao entendi.
    Alguém ja parou pra pensar a respeito?

  15. oi Cazzi Miei (e isso é nome?)

    É sempre complicada esta posiçao. No dia-a-dia, para os italianos as atitudes "ríspidas" e falta de fineza é de alguma forma "normal". A coisa é cultural. Por exemplo, os milaneses não te dão o troco na mão, eles o jogam sobre o balcão. Para nós isso é estranho, meio grosseiro, mas para eles é normal, não é grosseria.

    Será que nós estamos sempre certos? Me preocupo um pouco com o extremo da coisa. Não é o fato de estar pagando que se pode fazer o que bem entender, mas também isso dar plena razão de exigir os direitos quando a coisa é má atendida. Se tem direitos, se tá com a razao, tem mais que exigir.

    Agora como disse, os extremos sao complicados. Do outro lado, a completa subserviencia que incomoda muito. Ja viajei e morei em outros paises tao pobres como o Brasil em que vendedores, garçons e afins te tratam de uma maneira que só faltam lamber os pés dos clientes. Isso é muito feio, eu me sinto constrangido. Será que ainda temos nossa maldita herança casa-grande/senzala?

    Sou de acordo com você sobre reagir nos momentos de grosserias dos locais. Lembro de uma das dicas daqui do blog que o tratos dos outros mudam a partir do momento que se melhora no idioma, porque se consegue falar de igual pra igual. E isso aconteceu comigo.

    Agora, dica própria: é relaxar. Nem nós, nem ninguém, temos o poder de mudar as pessoas de determinado local. A coisa é tentar se adaptar. Conheço muitos estrangeiros, alguns que moraram no Brasil, e a princial queixa deles é que o brasileiro é enrolao, trapaceiro e preguiçoso. E eles conseguem mudar isso ?

    Este post vai longe… pq o tema é dificil.
    Abraços

  16. nossa..vendo todos esses comentários, até fico com medo de ir a Itália.. até pelo meu esteriotipo.. sou morena, cabelo grande, olhos claros, e corpo de brasileira mesmo. espero que não me tratem mal..porque meu maior sonho é conheçer a itália, e agora que pretendo realizar, não quero ficar triste.

  17. Bem pessoal, meu nome é Luis Casanova minha família é daqui de Antonio Prado (RS) a cidade mais italiana do Brasil, tenho parentes morando na Itália e Suiça. Quem esta morando lá nunca sofreu nenhum preconceito. Embora tenhamos encontrado em Belluno nossos parentes…

  18. Moro na Italia ha 4 anos, e ja vi e vivi de tudo, ja sofri preconceito sim,propostas indecentes, pois sou aquela tipica brasileira morena, cabelos cacheados que chama atençao por onde passa, foram anos pra adiquirir o respeito no meu trabalho, mesmo sendo casada. Quando fiquei viuva e sofrendo tanto a mesma coisa, levou mais um tempo atè eles verem que nao estava disponivel e era facil como eles acham.
    Aprendi que devemos sim, saber dos nossos direitos e brigar sempre por eles, pq mesmo quando sao mal educados, voce pode revidar, que eles vao te olhar assustados de inicio, mas vao te respeitar mais do que se voce ficar quietinha e ir embora.
    Na Italia è assim, quando eles conversam parecem que estao brigando e quando brigam esfregam o dedo no nariz um do outro mas nao passam disso, coisa que um brasileiro nao aceitaria, entao è cultura diferente, pra viver aqui tem que aprender a conviver, mas aceitar ser humilhado jamais.
    E quando chega a hora que nao aguentamos mais a grosseria o frio e a saudade, è fazer as malas e ir pra casa, como estou fazendo agora!!!
    Abraços!!!

  19. bom, minha mãe foi COMO TURISTA à itália no começo dos anos 80 (naquela época não era comum encontrar tanto brasileiro no exterior vivendo ilegalmente ou em condições miseráveis) e sofreu abordagem ofensiva, sim.

    só pra ilustrar, ela é branca, culta, estava vestida de forma decente e tem um comportamento discreto. o ocorrido se passou em roma, num lugar movimentado cheio de turistas vendo vitrines, etc

    os italianos abordam as mulheres como se fossem vadias, falando coisas de baixo nível (como só pedreiros e bêbados fazem no brasil) e um deles chegou ao ponto de apalpar a bunda da amiga dela (de perfil semelhante, só q mais bonita)

    qd tentaram se desvencilhar e continuar andando, foram seguidas em meio às risadas e gracinhas vulgares

    não, elas não chamaram a polícia… as pessoas q estavam em volta e viram a cena nada fizeram, apenas riam! claro q ngm testemunharia a favor das brasileiras… ainda mais q minha mãe só falava francês e inglês

    por sinal, ela foi a outros países europeus na ocasião e foi mto bem tratada, principalmente em portugal

    (lógico q hj em dia isso seria diferente, já q a imagem da brasileira prostituta ou imigrante ilegal já está consolidada… uma amiga minha morou 2 anos num ótimo endereço em PT com o marido – engenheiro, q só foi pra lá pq foi contratado por uma grande empresa – foi alvo de comentários bem maldosos das esposas dos colegas de trabalho dele… teve dificuldade, inclusive, pra alugar o apt nos padroes q eles queriam pois só ofereciam muquifos ao perceberem q eles eram brasileiros)

  20. gente meu nome é Letícia Camargo, to indo pra Ferrara amanhã e lendo tudo isso aqui to ficando cada vez mais apavorada…

  21. Leticia,
    Relaxa, que vai dar tudo certo.
    Depois volta aqui e conta para gente como vao os seus primeiros dias em Ferrara.
    abs,
    Barbara

  22. Vamos combinar que foi um brasileiro que escreveu a frase acima (ou um italiano analfabeto!) hehehe

  23. Moro na Italia a 2 anos realmente o preconceito existe sim ,principalmente com brasileiros , moro em Albenga e vejo muito preconceito da parte dos italianos,uma vez fui pegar um onibus a senhora nao sentou ao meu lado e ficou colocando a mao no nariz toda hora como eu estivesse com algum cheiro desagradavel, na verdade quem tem mal- cheiro sao eles pq a higiene pessoal , nao gostam nem de lavar os dentes e tb nem de tomar banho eles se preocupa com a aparencia em ter uma bolsa de marca, è isso.sao mal -educados o divertimento deles sao sò beber e mais nada.

  24. Nenhum lugar pode ser palco de uma única história!!!
    Sou brasileira, com cidadania Italiana, filha de um Toscano. Estou de mudança para a Itália em breve. Ja vivi 04 meses em Dublin, já estive na Itália algumas vêzes e conheço um pouco de Portugal. No Brasil, conheço boa parte do Nordeste e apesar de ser Paulistana, vivo no Sul, em Santa Catarina há quase Dez anos. Estou bem acostumada com nossa realidade multicultural. Sendo assim, digo o que acredito que seja uma verdade, apesar de ter conhecimento do "perigo das verdades únicas". Preconceito, falta de educação, hostilidade, grosseria e mais uma relação infinda de adjetivos desagradáveis podem e são encontrados em qualquer lugar do mundo. Assim como o oposto de todas estas palavras! Vou deixar aqui um link de uma palestra linda, de uma Africana residente nos Estados Unidos. Por ser Brasileira, identifiquei-me muito com a realidade dela e tenho certeza que vocês, tão brasileiros quanto eu, também ficarão sensibilizados com esta história e se identificarão com ela.

    http://www.ted.com/talks/lang/por_br/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story.html

    Um abraço á todos e boa sorte!!!
    Com alegria,
    Fiorella Pargoli

  25. Ciao Babi e demais amigos

    A linha entre 'preconceito' e 'choque cultural' é muito tenue no meu ponto de vista. Eu sempre falo que europeus e brasileiros sao muito diferentes culturamente!

    Eu sempre conto a seguinte historinha para ilustrar a diferença entre os dois povos. Imaginemos a seguinte situaçao:

    Voce precisa ir ao aeroporto na manha do dia seguinte e na festa de despedida pergunta ao seu amigo brasileiro se é possivel que ele te leve ao aeroporto. Mesmo sabendo que é impossivel leva-lo ao aeroporto (ele entra as 8:00 no trabalho e seu voo é as 10:00) o que ele responde? – Opa, eu entro as oito no trabalho, mas nao se preocupe que a gente dà um jeito, perder o voo é que voce nao vai… Dai no dia seguinte voce liga pra ele que te responde: – Putz, infelizmente nao foi possivel, nao consegui me liberar no trabalho (o que ambos jà sabiam…)

    Aposto que neste momento voces estao rindo e dizendo: – E nao é que é verdade, quantas vezes eu passei por uma situaçao parecida…

    Agora, se este amigo fosse um italiano, na mesma hora que fosse perguntado sobre a possibilidade de leva-lo ao aeroporto prontamente ele responderia: – Desculpe, amanha entro às 08:00 no trabalho, nao tenho como leva-lo, peça a outra pessoa ou pegue um tàxi…

    Claro que é uma historinha boba mas ilustra exatamente aquilo que eu quero dizer: o brasileiro é melindroso, se ofende muito facilmente, e ao ouvir um italiano dizer "peça a outra pessoa ou pegue um tàxi" automaticamente pensa: Poxa, que cara grosso, nao precisava responder assim, pelo menos poderia fazer um esforço pra me levar…

    Eu acredito que preconceito exista em todo lugar, aqui na Itàlia, no Brasil, em Bangladesh, no Japao, etc. Porém concordo plenamente com quem escreveu que 'nòs é que devemos nos adaptar ao lugar onde estamos e nao o contràrio".

    Procurem diferenciar o que é verdadeiramente preconceito puro e simples e o que é diferença cultural. O primeiro deve ser denunciado e combatido veementemente. O segundo deve ser motivo de reflexao, afinal como diz a màxima: "Em Roma faça como os romanos"…

    In bocca al lupo!!!

  26. Ana Claudia, a Barbara colocou o vídeo na Home do Blog.
    Não perca!

    Um abraço,

    Fiorella

  27. ja morrei na itália la e foda mas tem euro isso e o que vale euroooooooooooooooooooooooooooooooooooooo.

  28. o povo tem as vezes racismo, mas e assim no brasil quando vc não tem dinheiro e aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii que existe o racismooooooooooo to errado.

  29. Oi, gente! Boa conversa essa aqui…
    Olha, mais um exemplozinho para a resposta do Fábio: meu marido discutiu com meu filho mais velho pelo telefone esses dias. Depois me disse: acho que eu não me acostumei com o jeito italiano dele….Depois de 3 anos convivendo intimamente com italianos, o garoto mudou um tantão, sim.
    Eu me acostumei com o jeito um pouco "duro" de parte dos italianos(meu pai chamava de "objetividade"), na verdade, entrei num acordo: trato da mesma forma como sou tratada. Distribuo sorrisos somente para quem sorri para mim.

    Bjs!

  30. Antes da minha viagem entrei nesse tópico e fiquei assustada… afinal de contas seria uma mulher, negra, viajando sozinha na metade da viagem. Achei q sofreria muito preconceito.

    Essa primeira impressão começou a ser quebrada logo no primeiro dia… nos meus 20 dias de viagem fui absolutamente bem tratada e até mimada.

    Sou super anti-social e sempre viajo com fone de ouvido pra ninguém puxar conversa, mas na Italia essa técnica não funcionou, as pessoas falavam comigo nos trens, ônibus, ruas… e não tinha como fazer q não estava ouvindo pq eles falavam bem alto! rsrsrsrs

    Quando eu dizia que era brasileira então, eles ficavam tão efusivos que achava q lá vinha um abraço. Essa é outra coisa q me surpreendeu, eles gostam muito mais de contato físico do q eu gosto (aliás eu não gosto)… depois dessas conversas no trem, com desconhecidos, me despedia dizendo "piacere, buona giornata/serata" e lá vinham eles com 2 beijos estalados… eu ficava paralisada, com cara de paisagem.

    E não eram homens me paquerando não… eram mulheres e até senhorinhas, teve uma na estação de trem em Lucca q me abraçava tanto q cheguei a ficar constrangida.

    Os homens são galanteadores, mas sempre com muito respeito… elogiavam muito meus olhos, diziam q eu era bonita e quando eu me revelava brasileira eles suspiravam dizendo "le brasiliane"… é só não dar muita confiança q as coisas param por aí.

    Mas claro q eu fazia minha parte… não usava roupas curtas, muito decotadas ou espalhafatosas, era sempre muito educada e pedia licença/desculpe, etc, me dirigia a senhoras e desconhecidos de maneira "formale".

    Tb acho q falar italiano, mesmo q toscamente como eu falava, ajuda, as pessoas ficam mais solícitas vendo o seu esforço. Eu só tive 2 meses de aulas 2 vezes por semana antes da viagem. Não custa muito e faz toda diferença, vale o investimento.

    Em Assisi perdi o ônibus pra Perugia e o prox passaria somente 2 horas depois… a mulher da banca q vendia bilhete ficou comovida, botou alguém pra tomar conta da banca, pegou o carro e me levou até a estação de trem!!! Fala a verdade, como dizer q eles são grossos??

    Em Roma qdo as pessoas descobriam que minha amiga tinha uma hóspede brasileira pediam para me levar na casa deles, e não sabiam o q faziam pra me agradar.

    Um amigo meu italiano, que vive aqui no Brasil, disse q eu "tive sorte"… mas já conversei com várias pessoas q foram tão bem recebidas qto eu fui e na volta, no avião, conheci uma brasileira q mora há 5 anos em Mantova e disse q não pensa em voltar para o Brasil, q é super bem tratada e mimada pelo marido, sogros e amigos de trabalho.

    O meu conselho: vá de mente e coração abertos, livre de pré-julgamentos… viva a cultura e os costumes italianos q é bem diferente dos nossos, mas não menos maravilhosos!!

  31. Barbara

    Dificil, mas do meu modo de ver e por ter vivido ai por um bom tempo da minha vida, posso dizer que a Italia esta mais pra um pais de terceiro mundo que de primeiro.

    Nao julgo os meritos do rapaz que nao foi aceito no mestrado. E que historia essa de voce ser paulistana?Por ser um paulistano agitado ele tambem deveria ser aceito?

    Mulher brasileira é em geral, facil pra sexo com qualquer gringo. Basta voce ver,nem tem como negar. Falou com sotaque e um abraço. Raras sao as que nao dormem com qualquer gringo e nao querem ser conhecidas depois por bundas e seios. Minha mulher reclama disso.Brasileira que é,trabalha um monte e tem depois que escutar que brasileiras sao todas prostitutas por culpa de alguma brazuca"feminista"liberal que depois reclama da imagem que ela mesmo ajudou a criar. Parabens as mulheres brasileiras que nem por carencia ou deslumbramento dormem com qualquer gringo por ai e que nao ajudam a queimar o nome do pais.

    http://www.youtube.com/watch?v=7A-I7pyylVo

    Posto esse video pra voce debater,ok?

  32. Ola anonimo,

    Vou começar explicando a história do paulistano que eu usei em relação ao seguinte caso mencionado:

    "ma vez eu tive que responder um teste sobre a seguinte situação hipotética: um cidadão acaba de fazer uma viagem internacional a trabalho. Chegando no país de destino é assaltado e acaba não conseguindo fazer sua apresentação de trabalho. O que você diz para o cidadão?"

    Oras, com todo respeito pelo resto do mundo, quem trabalha no concorridíssimo mercado profissional de São Paulo está acostumado a dar o sangue e a alma pelo trabalho. Isso significa cumprir sua missão, independente do fato que faça chuva, sol, que tenha assalto, arrastão ou o final do mundo.

    Quando me perguntaram o que eu diria para o cara, eu diria que ele é pouco preparado. Já imaginou você fazer uma viagem intercontinental para encontrar um cliente, provavelmente importante, e chegar lá e não poder se apresentar porque foi assaltado? Faça me o favor. Pega uma caneta e um papel e faça sua apresentação!

    Não quero ser preconceituosa, mas reparei que essa energia não é fácil de encontrar em outros lugares do mundo, e para ser honesta, às vezes pode até incomodar. Então o melhor a fazer é sempre se adaptar aos hábitos locais.

    Sobre o video que você mostrou, você tem razão em várias coisas. Mas voce escutou as piores vozes da Italia: gente ignorante que não sabe olhar para o próprio umbigo. Felizmente nem todos são assim.

    A única coisa é que este é o novo Brasil:

    http://www.youtube.com/watch?v=xktRQa6G4M8

    A imagem da bunda está destinada a virar passado. Felizmente o tempo passa e as coisas melhoram: os italianos sem perspectivas que vieram ao Brasil conseguiram, na maioria da vezes, construir uma vida muito boa no Brasil, adquirir propriedades.

    A curiosidade de viajar o mundo e conhecer outros países existe sempre. Na Italia chamam de "fuga de cerebros".

    Eu, pessoalmente, gostaria muito de poder colaborar para melhorar a imagem das brasileiras no exterior.
    Além do Brasil na Italia comecei a escrever um blog chamado Vado in Brasile http://www.vadoinbrasile.com , se vc quiser, dá uma passadinha por lá.

    abs

    Barbara

  33. Ola.
    Sou o anonimo.Falo como voce, com base.
    Barbara,morei ai 6 anos. Hoje moro fora(Dublin).

    Nao so vi esse video como o retrato da Italia mas como o retrato de uma sociedade, que para o bem do Brasil, esta se deteriorando.E porque?Este pais é o pais com a mais alta inversao de valores do mundo:valorizam a mafia, politicos como Berlusconi,personagens como Corona,Bossi,racismo nepotismo, corrupçao,crime organizado,etc.Claro que a fama quem leva é o Brasil, Africa,etc por ser um pais em desenvolvimento. Ja contra o resto da Europa, os italianos ficam quietos.

    Gente como Saviano é ainda questionada.Quando ele fala a verdade, é cru e contra as aparencias.Isso é patético.

    Preconceito existe muito.
    A mulher brasileira é tida como PROSTITUTA sim. Ou no sentido de pagar, interesseira ou no sentido de facil pra sexo. Conheci italiano que ria enquanto explicava como brasileira fazia sexo oral pros amigos e queria ser amiga,do meu colega que "casa com italianas mas transa com brasileiras"porque sao faceis,basta ter sotaque e gol.Fora o turismo sexual pq brasileira libera de primeira.
    O pessoal se refere como prostiuta nao por pagar as vezs, mas a facilidade de obter sexo com brasileiras.

    Discordo que isso esta mudando. Pois grande parte das mulheres brasileiras ainda transa com qualquer gringo pra contar pra colegas,familia, por ele ter sotaque(isso se ricas) ou pra tentar melhorar de vida(se pobres).
    Fora isso, sabemos de personagens na TV italiana como Juliana Moreira que é a brasileira, bonita, simpatica,engraçada e nada mais. Ja vi essa garota ser chamada em programa de TV de "facil" e dar risada.
    A culpa de serem taxadas sao de voces mesmas(falo como brasileiras em geral).Enquanto se mostrarem deslumbradas, nao se defenderem e mostrarem ser mais que bundas,beleza e nao derem pra qualquer pangaré pelo sotaque,voces serao valorizadas.

    Seu comentario de SP é bairrista e talvez, elitista.Sao Paulo é rica mas a desigualdade de renda é enorme entre as classes.
    Sou do sul,SC, com pai gaucho e mae carioca e em muitos outros lugares,trabalhar sobre pressao e correr atras das coisas nao é novidade.Desde o norte do Brasil ate o sul,voce nao é a unica.

    Minha mulher escreveu junto comigo esss post.Nao é deslumbrada e nao é so bunda e peito apesar de ser linda.Muito menos dormiu com gringos pra mostrar a sua brasilidade. Imagino ser bom se todas brasileiras fossem assim.

    Sem mais.

    Leonardo

  34. Ola.
    Sou o anonimo.Falo como voce, com base.
    Barbara,morei ai 6 anos. Hoje moro fora(Dublin).

    Nao so vi esse video como o retrato da Italia mas como o retrato de uma sociedade, que para o bem do Brasil, esta se deteriorando.E porque?Este pais é o pais com a mais alta inversao de valores do mundo:valorizam a mafia, politicos como Berlusconi,personagens como Corona,Bossi,racismo nepotismo, corrupçao,crime organizado,etc.Claro que a fama quem leva é o Brasil, Africa,etc por ser um pais em desenvolvimento. Ja contra o resto da Europa, os italianos ficam quietos.

    Gente como Saviano é ainda questionada.Quando ele fala a verdade, é cru e contra as aparencias.Isso é patético.

    Preconceito existe muito.
    A mulher brasileira é tida como PROSTITUTA sim. Ou no sentido de pagar, interesseira ou no sentido de facil pra sexo. Conheci italiano que ria enquanto explicava como brasileira fazia sexo oral pros amigos e queria ser amiga,do meu colega que "casa com italianas mas transa com brasileiras"porque sao faceis,basta ter sotaque e gol.Fora o turismo sexual pq brasileira libera de primeira.
    O pessoal se refere como prostiuta nao por pagar as vezs, mas a facilidade de obter sexo com brasileiras.

    Discordo que isso esta mudando. Pois grande parte das mulheres brasileiras ainda transa com qualquer gringo pra contar pra colegas,familia, por ele ter sotaque(isso se ricas) ou pra tentar melhorar de vida(se pobres).
    Fora isso, sabemos de personagens na TV italiana como Juliana Moreira que é a brasileira, bonita, simpatica,engraçada e nada mais. Ja vi essa garota ser chamada em programa de TV de "facil" e dar risada.
    A culpa de serem taxadas sao de voces mesmas(falo como brasileiras em geral).Enquanto se mostrarem deslumbradas, nao se defenderem e mostrarem ser mais que bundas,beleza e nao derem pra qualquer pangaré pelo sotaque,voces nao serao valorizadas.

    Seu comentario de SP é bairrista e talvez, elitista.Sao Paulo é rica mas a desigualdade de renda é enorme entre as classes.
    Sou do sul,SC, com pai gaucho e mae carioca e em muitos outros lugares,trabalhar sobre pressao e correr atras das coisas nao é novidade.Desde o norte do Brasil ate o sul,voce nao é a unica.

    Minha mulher escreveu junto comigo esss post.Nao é deslumbrada e nao é so bunda e peito apesar de ser linda.Muito menos dormiu com gringos pra mostrar a sua brasilidade. Imagino ser bom se todas brasileiras fossem assim.

    Quanto a ser preparado pra mestrados,trabalho,etc do que dizer de escola italiana aonde falta papel higienico,vaga pra escola e material escolar?Ou de ser uma naçao que pouca gente fala ingles??Alguem vem falar do Brasil?O sujo fala do mal lavado.

    Sem mais.

    Leonardo

  35. Olá Leonardo,

    Sinto muito pela sua desilusão.

    Infelizmente você escolhe olhar para os piores exemplos da Italia e para os piores exemplos do Brasil. Sim, o que você falou existe. Mas existe muito mais do que isso.

    Se você quiser olhar pelo lado negativo, não existe país ou nação que se salve.

    Felizmente nunca fui tratada como prostituta na Italia e eu moro aqui há 6 anos.

    Convido você a continuar seguindo e lendo o blog, tenho certeza que encontrará material interessante para discussão e, quem sabe, poderá entrar em contato com uma outra versão da sua história.

    abs,

    Barbara

  36. Hi Barbara
    Vi ambos os lados e passei longe ser um desiludido.
    O que digo é:se vc for criticar, que seja melhor. Simples.E nesse caso os italianos nao sao exemplo em nada, ou muito pouco para brasileiros.

    Quanto a mulher brasileira,qual mulher brasileira com rarissimas excessoes nao transou com um italiano?Voces transam de modo facil mesmo que falem de voces pelas costas.Sera que nunca falaram de voce pelas costas por ser brasileira?Excluo desse grupo a minha esposa e muita mulher que nao se entrega por pinto estrangeiro.

    Vejo que ai na Italia muito brasileiro com a sindrome do vira lata tenta se enganar a si mesmo e nao ve a verdade que os fatos mostram.Patético.Talvez por se considerar europeu.Até pessoas com nivel superior, eu que o diga, fazem isso.

    Leoanardo

  37. Leonardo,

    A Italia não é um país perfeito e os italianos não são um povo perfeito, mas daí a falar que não são exemplo em nada acho um pouco de exagero.

    Não vou nem entrar no mérito de falar de mulher brasileira com você, porque o seu discurso é vulgar demais pro meu gosto.

    Seja feliz e encontre o seu caminho.

    abs

    Barbara

  38. Barbara

    A Italia não é um país perfeito e os italianos não são um povo perfeito, mas daí a falar que não são exemplo em nada acho um pouco de exagero.
    ———————————
    Com certeza vc é deslumbrada. No meu entender, atualmente os italianos deveriam aprender muita mais coisa com o Brasil.O inverso seria muito dificil. Hoje a Italia nao é a mesma do Renascimento.Esta se tornando um terceiro mundo.
    A Italia é uma pais perfeito, mas o Brasil precisa ser?Ridiculo.
    ———————————————
    Não vou nem entrar no mérito de falar de mulher brasileira com você, porque o seu discurso é vulgar demais pro meu gosto.
    ——————————————–
    Vulgar,eu?Os italianos chamam a mulher brasileira de prostituta pelas costas,vao fazer turismo sexual pelo mundo todo,Berlusconi na TV fala cada mer**,palavrao na TV italiana e politica italiana é algo comum e vc vem me chamar de vulgar?Bilau e periquita é vulgar?O que dizer de cullo e figa,entre outras?

    O seu blog é completamente fora da realidade.E no meu ponto de vista vc se defende assim tanto pq tem relaçoes ou TV com um nativo, que pode ser gente boa ou nao.Ou nao se considera mais brasileira.

    Por medo de ser criticada voce defende essa classe de mulheres que tem relaçoes com gringos que grande maioria fala mal de voces pelas costas pra defender a si mesma.Como homem conheço cada uma que meus amigos italianos me contam.
    Cada pessoa tem a liberdade de fazer o que quer e no meu ver essa liberdade vai trazer coisas boas e ruins.Voce defende so a coisa boa e nao quer ser taxada ainda mais em um pais muito machista aonde voce escolhe com quem dorme.Resta saber o que a mulher brasileira valoriza pra dormir com o gringo.Roupa,idioma,etc.Patético pois vcs sao taxadas pelos caras,machistas e ainda dormem com eles.

    Escreva algo sobre o caso Battisti e leia os comentarios de jornais por ai dos leitores.Mulher brasileira ganha cada elogio…
    Isso tudo pq o seu pais(vc é italiana,nao?) nao sabe ser diplomatico e acha que pode fazer tudo perante uma outra naçao soberana da América do Sul.Aceitam nao dos EUA mas do Brasil nao.

    Definitivamente o seu Blog nao representa a Italia verdadeira e sim a Italia Armani,Diesel,etc e com tanta besteira de moda.Vc tem algum interesse nisso com certeza.

    Feliz 2011.
    Leo.

  39. Se nao gosta do blog, não precisa voltar.
    Existem várias outras possibilidades na internet, aliás nada impede que você crie o seu próprio blog!
    Feliz 2011!
    abs
    Barbara

  40. Li todos os comentários e não gostei deste mini bate-boca… acabou se perdendo o foco interessante do post. Mas é verdade sim que as brasileiras são as mais deslumbradas do mundo em relação aos Italianos, não importando classe social ou fino-trato dos itálos. E quanto ao preconceito eu digo que pra mim foi até bom, pois me tornei mais brasileiro do que nunca e eternamente não vou gostar de Turin. Eles simplesmente odeiam brasileiro, isso é fato, não há como teorizar ou homogenizar preconceitos. Não. É típico do italiano.
    (Só estou anonimo para facilitar o comentário)

    Thiago – Porto Alegre

  41. Boa tarde, alguém poderia me dizer sobre as leis que regem na Itália para os imigrantes que vieram Brasil no final do século XVIII e início do XIX (os que deixaram suas terras). Como já estiveram lá ficaria mais fácil, ou se algum de vocês estão agora nesse momento e podem enviar essas informações. Fiquei decepcionada, com o comportamento dos italianos, pois um dos meus objetivos é ir a Itália e conhecer a sua rica cultura. Se puderam me enviar algo eu agradeço.

    Vêneto

  42. Existe muita informaçao sobre a imigraçao italiana no Brasil (procure por exemplo pelo museu do imigrante). Não existia um grande fluxo de brasileiros vindo para a Italia nos seculos XVIII e XIX. O fluxo era Italia -> Brasil.

  43. Oi

    Apesar de admirar o seu modo de escrever posso constatar uma visao um pouco distorcida da realidade.

    Obviamente que diferenças culturais pesam e nao podemos querer viver aqui como no Brasil. Mas dizer que nao existe preconceito?Voce esta forçando.
    A Lega Nord(ja escrevi sobre eles e que possui um representante em SP )é o que?Nao sao xenofobos, racistas e preconceituosos?
    Estao crescendo no governo com uma radio xenofoba e divulgando a msg deles.E se estao no poder é pq GRANDE parte da populacao vota neles.

    A reaçao italiana aos estrangeiros e a palavra"extracomunitario" sao o que?
    Nao sao preconceito?Racismo?

    Sobre a mulher brasileira, sou casado com uma mas que grande parte é vista como uma bunda nao da pra negar. Escrevi sobre aquela brasileira Juliana Moreira. Ridiculo.

    Acho que devemos fazer como diz a diplomacia:reciprocidade.

    Mas do jeito que nosso povo é "compreensivel"… .

  44. Preconceito existe em todo lugar do mundo, inclusive no Brasil. Achar que não existe ou que existe só na Italia é certamente um erro.

    Em São Paulo as madames vão ao supermercado acompanhadas das empregadas vestidas como empregadas e essa é uma imagem que chocou muito alguns dos meus hóspedes italianos no Brasil. A necessidade de demonstrar o poder e influência, uma escravidão em versão moderna.

    Não quero lançar pedras nem no Brasil, nem na Italia. São dois países que me deram e dão muito em termos de oportunidade pessoal e profissional.

    A influência dos partidos varia de região para região (estados italianos). Felizmente na Toscana a influência da Lega é ridícula e esse preconceito descrito não faz parte do meu quotidiano, embora saiba através dos jornais que existe (e neste momento é bastante forte) no norte da Italia.

    Eu não tenho nada contra a Juliana Moreira, ao contrário, acho ela muito simpática. Não sei detalhes sobre a vida pessoal dela porque não acompanho, mas não me envergonho pelo fato dela ser brasileira. Ao contrário, seria ótimo se existissem pessoas sempre tão de bem com a vida.

    Não acredito que reciprocidade seja a melhor coisa. Tipo: meu pai me batia e eu baterei no meu filho? Filosoficamente, prefiro o estilo Ghandi.

    E nao acho que seja uma coisa boa que o brasileiro um dia seja como o italiano ou que o italiano seja como o brasileiro. Eh bom que exista uma diversidade e que o mundo nao seja todo igual. Que chatice seria se fossemos todos iguais.

    Nao tive tempo de olhar seu blog com calma, depois passo la.

    abs

    Barbara

  45. Oi Barbara.
    Certamente preconceito existe em todo o lugar e todas pessoas possuem. Uns sabem que é errado.Outros fazem por superioridade como paulistas fazem com nordestinos.

    Sao Paulo na minha otica é uma das cidades mais preconceituosas economicamente do Brasil. Rica sim, mas essa riqueza esta na mao de poucas pessoas. Inclusive acho que por isso que a Lega Nord se instalou em SP,além de serem bem recebidos pela comunidade italiana no Brasil, que acha a Italia aquela de um tempo atras. Escrevi um post sobre isso.Pessoal deveria se apegar ao presente.

    A Lega, pra informaçao sua cresce na Italia central.A propria Emilia-Romanha tem uma boa base da Lega. Um pouco egoismo seu pensar que nao afetando voce, nao é importante.

    Ja escrevi sobre Juliana Moreira.Mais conhecida pela bunda,sorrisos, cara de abobada e seios.Leia o meu ultimo post que possui links sobre ela.Fez um papelao em um programa de TV.Grande exemplo tsc.

    Seu modo de pensar é do bem. Também gostaria que todos andassem nus, em um mundo sem fronteiras, cantando, de maos dadas. Mas o mundo é bem mais complexo que isso.E quem nao se faz respeitar,nao é respeitado.Isso nao quer dizer ser racista, facista, xenofobo ou preconceituoso como grande parte dos italianos.Por isso a diplomacia e se fazer respeitar com reciprocidade. Ou voce acha certo deportaram brasileiros na Europa e nos recebermos europeus de braços abertos.

    Voce deve viver em um mundo de fantasia.

    Druida.

  46. sou brasileira, baiana e negra estou indo pra itália e não quero saber de preconceito pro meu lado não! sou cara de pau igual ha eles
    se mim chamarem de puta eu chamo eles de corno.
    se mim mandar pra cadeia eu mando eles pra puta que paril. por isso não quero gracinhas. o que der eu encaro.

  47. Sou brasileiro filho de italiano , os italianos são preconceituosos até entre seus familiares imagine as pessoas de outros países , por eu ser descendente e conhecer essa raça, não tenho a mínima vontade de conhecer a Itália pois , serei mal tratado pelos meus parentes com certeza , tenho tios e primos na Itália não quero nem contato com esse povo ignorante graças a Deus sou brasileiro eu amo o Brasil melhor país do Mundo.

  48. Eu estou na italia(vicenza) a quase 3 anos,e é incrivel o nivel de preconceito que vejo por aqui, e nao e so com brasileiros nao, é com qualquer outra raça que nao seja italiana, na verdade com os brasileiros eles pegam ate mais leve do que com indianos e marroquinos, esses coitados os apartamentos perto de onde mora um indiano ou marroquino perde valor de mercado, quanto a nos principalmente brasileiras, existe sim muita discriminaçao, muito principalmente da parte das mulheres italianas, se vc vem pra ca e ja tem um trabalho certo e uma coisa, mas vir pra tentar a sorte, e muito dificil ate mesmo pra quem domina bem a lingua, pq logo quando veem que vc e extrangeira o seu curriculo perde total valor, agora pra vir como turista so pra conhecer e nao pra morar e tudo uma outra coisa, pq o pais apesar dessa vergonha racista e um pais muito bonito e vc so percebe esse racismo com o tempo, e como turista nao se vai passar tempo suficiente pra conhecer esse lado da italia. minha esperança e que eu consiga no futuro convencer meu marido a se mudar para o brasil, pq nao existe pais melhor que o nosso.

  49. Estou na italia, em veneza mais precisamente, e, quando entrei ulem uma loja em murano de esculturas artesanais, eu so faltei ser expulso. O dono ficou o tempo todo dando tchau a kim e minha esposa, achei isso ridiculo. Ke deu vontqde de quebrar a cara dele.amanha viajo pra florenca, se isso acontecer de novo isso jao prestar., eu ke surpreendir com os italianos. Eu sekpre sonhei em vir na italia e iusto aqui eu sou discriminado iunto com minha esposa em plena lua de mel.
    Se eu tivesse tempo voltaria la e chamaria a policia.

  50. Luiz Eduardo,
    Os italianos usam ciao (se pronuncia tchau) para cumprimentar as pessoas, não apenas na hora de dizer adeus, mas também no lugar do oi.
    Provavelmente é você quem fez o papel de mal educado.
    Se você viajar mais tranquilo, vai aprender coisas novas, inves de achar que existe um complô contra você.
    Abs,
    Abraços,

  51. Ola gente!!!Pois e muito complicado essa questao de brasileiros serem vitimas de preconceito aki na Italia!eu ja fui vitima,uma vez entrei em uma loja e a atendente simplismente naum me atendeu naum se levantou da cadeira onde estava!mas olha gente aki na Italia tem muitos itlaianos maravilhosos q amam nosso Brasil e que respeitam tambem,meu marido eh Italiano e nunca tratou nem uma pessoa com preconceito e ele mesmo fica muito triste quando falo pra ele a que as pessoas me tratam mau,nos decidimos ir embora pro brasil em junho estamos de partida pra morar!Mas pra meu marido que e uma pessoa gentil que respeita a todos independente de qualquer coisa,ele fica muito triste com esta situaçao e sabe que tem muito italiano ignorante e preconceituoso!!!um abraço a todos cari amici!

  52. O que vi aqui, foram pontos de vista diferentes, cada um conta sua história, sua experiência. Vi também falta de informação, apelação, falta de respeito e, pasmem… preconceito!
    Cada um vai defender o que lhe for mais conveniente. Pessoas que se expõem mais, tem maior probabilidade de sofrerem algum tipo de preconceito, “maltrato” ou serem “vítimas” da cultura local. Mas, não só na Itália. Quantas vezes sofremos as mesmas coisas aqui mesmo, no Brasil? De modo geral, somos acomodados e aceitamos estes comportamentos ( os atos insanos de nossa política, nosso atendimento na saúde pública, os escandalosos desvios de nosso dinheiro, são exemplos de humilhações e maltrato para com o povo ), mas se estamos fora de nosso meio, seja em São Paulo, Rio, NYC, Londres, Paris, em Roma ou qualquer outro canto do mundo, ficamos mais sensíveis e fechamos nossos olhos às diferenças culturais.
    Minha família é italiana e como qualquer outra família, tem pessoas preconceituosas e outras totalmente desprovidas deste. Não podemos taxar pessoas, criar estigmas. Preconceito existe em todos os lugares do mundo, desde os mais desenvolvidos até os menos favorecidos, mas não podemos dizer que todos os italianos são brutos e nem que todas as brasileiras são vistas como prostitutas, no exterior e muito menos que as brasileiras são “fáceis” e que não podem ouvir um sotaque estrangeiro que vão logo se entregando.
    Acho que está na hora de abrir a mente, procurar ver o mundo com olhos críticos e conhecer mais, a diversidade cultural deste mundo globalizado.

  53. Ciao a tutti…
    Lendo os comentários, nota-se,além das experiências individuais, um certo preconceito formado por muitos de nós, brasileiros. Todavia, vamos seguir com o assunto; Estive na Itália, por todas as cidades que passei me relacionei com tranqulidade e respeito recíproco, e devo dizer, fui bem tratado além do que imaginava. Mas quero afirmar que, seja em qualquer parte do mundo, pessoas são pessoas, o que muda é o idioma (não imputemos nisto as diferentes culturas, o assunto é respeito), e assim, sabemos, temos pessoas muito mal educadas e ignorantes neste nosso Brasil; O preconceito está dentro de cada ego que assim o deixou aparecer, porém, pode-se, com bom intento, entender que existem pessoas e pessoas, em qualquer país, língua, cultura, nível financeiro, e etc…
    Eles têm virtudes e defeitos, nós também os temos! Abraço a todos.

  54. Conheci uma italiano, ele é super carinhoso e tal, um principe. Mas as vezes fala de uma maneira comigo que parece que eu sou interesseira, e é muito sexualizado tbm! Li alguns comentarios q me assustaram e que me fizeram
    ter um olhar negativo dele! Sou morena, corpo de brasileira…. Cabloca! Entro em todas as caracteristicas fisicas de uma brasileira q eles pensam…

  55. Isabela,
    O homem italiano não é muito diferente do brasileiro: eles querem aquele seu “algo mais”. Agora pode ser que no meio do caminho batam os sininhos e vocês descubram que foram feitos um para o outro.
    A única coisa é que histórias assim são raras, então antes de se aventurar, reflita com calma. Afinal, quando o homem está apaixonado, ele espera e faz qualquer coisa pela gente. Então, deixe ele demonstrar que vale a pena. Se não, bola pra frente!
    Abs
    Barbara

  56. Boa tarde.
    Hj que tomei conhecimento deste Blog
    Nao sei se vai valer alguma coisa o que vou escrever, mas aqui vai.
    Sou filha de italiano do Norte e mae austríaca..
    Conheco a Italia , onde pretendo me mudar pra lá, uma vez que me aposento este ano.
    Acredito que a questao do preconceito, devo concordar com um comentario acima de uma pessoa chamada Fabio Barbiero.
    A linha tenue entre o preconceito e o choque cultural.
    Cito aqui um exemplo de um sobrinho que mora em Madrid há 15 anos.
    Um dia ele me disse uma coisa que realmente refleti e dei razao à ele. Ele disse: o problema é que a maioria dos brasileiros, quando se muda para outro país, quer impor o “seu modo de vida, a “sua “cultura…esquecendo-se da cultura local… daí eles nao aceitam… principalmente o povo europeu.
    Quando eu cheguei aqui, diz ele, respeitei tudo , observei a forma de viver das pessoas e aos poucos, depois que fiz muitas amizades, respondia sobre o que me perguntavem sobre o Brasil.. inclusive da postura da mulher brasileira- que é pior no nordeste do País e todos sabemos disso… como tambem dos homens hipocritas da Europa, que vao ao nordeste em busca de prostituicao…. inclusive da prostituicao infantil … td isso é sabido tambem.
    Dai eu pensei… realmente… o brasileiro chega, já quer impor o samba, a forma de falar alto nos ambientes, a forma de interromper abruptamente duas pessoas que ja estavam conversando, a liberdade de “ficar”com um com outro… daí, nao adianta nos queixarmos… penso que qdo decidimos sair do nosso país de origem, temos que entender bem os costumes do país escolhido, analisar e ver se vai se adaptar e principalmente RESPEITAR , pois caso contrario, se quiser impor as suas origens, vai realmente sofrer preconceito… Temos que fazer nossa auto crítica… e admitirmos quando estamos errados.
    Enfim… espero que tenha contribuido com alguma coisa.
    Abracos à todos

Responder