“Em geral trabalham arduamente. Executam trabalhos braçais, humildes e pouco retribuídos. Com sufoco conseguem sobreviver em Firenze: muito altas são as despesas para morar, para comer e para outros pequenos prazeres. Mas o exército de imigrados na cidade (de Firenze) que atingiu a marca de 36 mil pessoas, não esquece o lar. É um rito normal para aqueles que conseguiram chegar na Italia e encontrar um emprego, seja em “nero”, seja regular: enviar dinheiro para a casa, para a própria família.”

 

Assim começa uma matéria publicada no mês de março do jornal Il Reporter di Firenze, que como o nome indica, circula exclusivamente em Firenze. A matéria chama atenção para a quantidade de dinheiro enviada para o exterior: Firenze é a terceira cidade da Italia em volume de dinheiro enviado legalmente. Os imigrantes vêm geralmente da America Latina, depois Filipinas, Romenia, Polônia, um pouco de todo o mundo.
São pessoas que vêm para a Italia na busca de um emprego, que em geral não encontram no seu país de origem. Trabalham duro, ganham menos de 1000 euros ao mês, conseguem pagar as contas e ainda enviar cerca de 100 a 200 euros para suas famílias. O sonho dessas pessoas é conseguir juntar dinheiro suficiente para comprar uma casa no país de origem e conseguir viver lá com um pouco de tranquilidade graças ao sacrifício feito aqui na Italia.

 

Achei interessante o box da reportagem com a entrevista deste filipino. Cliquem na imagem ao lado para ampliar.
E você, quer vir para a Italia para quê?

21 COMENTÁRIOS

  1. Esses dias li uma pesquisa justamente falando do numero de imigrantes em Firenze, nao lembro exatamente mas lembro exatamente das 4 primeiras nacionalidades: Romenos, Albaneses, Chineses e Peruanos, eles juntos representavam 48% dos imigrantes por aqui…
    Ja tive a oportunidade de falar com uma peruana, e nos achamos as vezes que a vida no Brasil nao é facil… tem muita coisa pior infelizmente.

    Por um lado eu admiro a coragem dessas pessoas, eu quando vim para ca, vim estruturado com objetivos bem definidos de ficar pouco tempo, vim para fazer experiencia mesmo, até porque, para quem é classe média no Brasil, viver aqui com um minimo de qualidade de vida nao vale a pena.
    Mas eu sempre trabalhei com o que trabalhava no Brasil, aprendi uma nova lingua, uma nova cultura, novas pessoas, como experiencia foi maravilhoso, mas como disse, somente sai do pais porque vim legalmente e estruturado, nao foi uma loucura, completando o inicio da frase, admiro por um lado a coragem, mas por outro acho loucura vir ilegal, sem reserva financeira, aqui nao é o paraiso ta cheio de gente pedindo esmola nas ruas também…
    O pobre vive com um pouco mais de dignidade, mas ainda sim a “dignidade” verdadeiramente passa longe deles, triste…

    Rodrigo Fante

  2. Oi, achei o seu blog numa busca no google,eh mto bom por sinal,ja li varios posts.Mas oq eu quero saber mesmo eh se vc ,q pelo visto,sabe mto sobre as chances dos imigrantes brasileiros na Italia, pode me dizer se um brasileiro de 28 anos,formado e com pós em publicidade,q quer morar pra sempre na italia,e ta fazendo d tudo pra equiparar os titulos,q como vc diz sem isso os diplomas nao valem nada,sabe falar italiano mto bem,se ele tem reais chances d conseguir um emprego estável e de ser feliz nesse país???se as pessoas ai tratam bem os imigrantes brasileiros ou se existe discriminação numa cidade como milão???se as italianas estão abertas a uma relação com estrangeiros q começam uma vida nova desse jeito?e por ultimo,gostaria de saber se vc sabe de casos em q a pessoa foi para a italia,com intuito de nunca mais voltar pro brasil, se decepcionou terrivelmente,e voltou?

  3. O que pesa para mim é o “estilo de vida italiano”, a mania de lamentar por qualquer coisa, de blasfemar a toda hora, se serem negativos e atrasados tecnologicamente, muito presos a um passado que ja passou.
    Isso nao me agrada, eu como trabalhei também com vendas aqui, conheci mais de 100 brasileiros nas ruas, sem brincadeira, encontrei 2 felizes com a vida na Italia, e todos ja com planos de voltar ou ir para outro pais.
    O pais é lindo, a oferta cultural imensa, se o povo fosse pelo menos indiferente aos imigrantes ja seria bom, mas sao sim muito racistas, preconceituosos, ja vi velhinho cuspindo em estrangeiro, ja me mandaram voltar para o meu pais de merda um dia porque disse para um senhor nao tratar mal um mendigo..

    Enfim, como qualquer pais tem seus pros e contras, acho que a receita para voce se dar bem aqui nao é pensar que vai ser a soluçao dos seus problemas, com certeza nao sera, mas pensar que vai ser algo que te fara crescer, e se chegando aqui tudo andar do seu agrado fique… se nao, volte, a experiencia de qualquer forma com certeza vale a pena.

    Eu estou indo embora depois de quase 2 anos, feliz, satisfeito com a experiencia de vida, mas digo sem pensar, o Brasil é onde quero viver, é onde as oportunidades de verdade estao.
    Aqui se voce é pobre vive-se muito melhor que um pobre no Brasil, se for classe média no Brasil, vai sentir muito a perda de qualidade de vida.

    Eu vou para Londres agora, fico 2 anos la e depois volto em definitivo para o Brasil, ai sim para ganhar dinheiro com a experiencia vivida por aqui.

    Outra coisa, a idéia de ir para fora e ficar rico pois ganha mais nao existe também, ganha em euro, mas paga em euro, o que sobra é pouco, eu tinha uma reserva mensal maior no Brasil do que tenho aqui por exemplo.

    E a minha definiçao de classe média é pagar um adsl e ter dinheiro pra um churrascao final de semana com carne boa, casa ou pagando a casa e um carro proprio.

    Rodrigo Fante
    http://www.rodrigofante.com/blog

  4. faltou responder de trabalho:

    Trabalho voce acha, mas nao é facil, eu diria que é mais dificil que no Brasil, onde tenho varias ofertas de trabalho, porém acha. Eu sou formado, nao fiz nada no meu diploma, alias nem o trouxe, meti a cara aqui sem falar no inicio um italiano bom, e consegui emprego na minha area, webdesigner, ganho acima da média italiana, e sou reconhecido pelos meus colegas de trabalho, profissionalmente estou bem.

    Inclusive dizem a toda hora que se nao der certo em Londres para voltar

  5. Acredito que existem muitas, mas muitas pessoas que não estão dispostas a comprometerem por um tempo a sua qualidade de vida. Eu morei nos EUA por 1 ano, 4 meses eu dormi em um colchão de ar, 4 meses eu dormi numa casa em que me faziam terrorismo mas não fiquei reclamando, a opção foi minha.

    Eu estou indo para a itália como investimento, não existe lugar melhor no mundo para a área que vou estudar, já estou com 23 anos, e esta vai ser minha segunda faculdade.
    Como já morei fora entendo as dificuldades que passamos, e estou tentando me preparar para a dificuldade financeira, eu só não compreendo como que as pessoas conseguem reclamar da situação financeira, afinal, um carro “popular” completo no brasil custa 40 mil reais, um par de tênis 500. Sem contar na violência, aqui se mata pelo par de tênis de 500 reais, e o de 100.

    Concluindo, por experiências pessoas eu percebi que pessoas que foram mimadas, ou que tinham um bom padrão de vida por aqui, sentem falta da mordomia, mas como diz o meu amigo “quer moleza? Senta no pudim”

    Abçs

  6. Fala Anonimo, tudo bem?
    Eu tenho um lema, e é o seguinte: “é preciso saber viver”, como já dizia aquela canção que nem lembro mais de que banda era… rs!
    A vida depende de sorte. É possível ser feliz em qualquer lugar do mundo, a felicidade vem de dentro.
    Também admito, que minha experiência na Italia é positiva porque eu tive a sorte de conhecer pessoas fantásticas por aqui. Se não fosse por isso, talvez eu também quisesse mudar de país… Sabe aquela história que você teve um reveillon inesquecivel porque estava rodeado de pessoas queridas enquanto voce pode gastar os tubos num lugar super VIP e a experiencia ser horrivel? Logico que eu prefiro pessoas queridas e ambiente VIP… rs!
    Sobre trabalho, o modo de raciocinar do italiano eh diferente do brasileiro e voce vai penar um pouco no inicio, mas se voce for bom, acredite em voce que sempre existe uma possibilidade!
    Eu, particularmente, sai do Brasil exatamente porque queria mudar de trabalho, mas tem gente que consegue sim continuar na carreira…
    Tenho uma amiga que mora em Milao ha mais de dois anos. Ela eh designer (de moveis), começou na Italia trabalhando em barzinhos da moda, conseguiu um trabalho agora com uma bam-bam-bam do mercado. Ganha uma merda, tem um contrato fajuto de trabalho (a progetto) mas esta “entrando”.
    Boa sorte para você!

  7. Rodrigo,
    Sugiro que voce conte para a gente sobre a sua nova experiencia em Londres! Sera uma aventura! Boa sorte para voce… E ja estou me preparando para as “lamentelas londrinas”… hehehe…
    To brincando com voce, mas que voce vive situaçoes exoticas de ver velhinho cuspindo em estrangeiro, italiano tentando fazer miche com vc, mulher sendo agarrada a força… Mamma mia!

  8. Conrado,
    Se voce quer vir, venha. Experimente! A gente so pode dizer se uma coisa eh boa ou ruim vivendo. Admito que no inicio eh dificil mesmo, mas qual inicio nao eh dificil?

  9. Enquanto isso, no Brasil, um dos fatos interesssantíssimos é o dossiê Veja, que Luiz Nassif vem escrevendo no blog dele. A repercussão via Internet está se alastrando, vale a pena acompanhar e refletir. Veja [sem trocadilho] aqui no link:
    http://luis.nassif.googlepages.com/
    Beijos do tiO

  10. Conrado,

    Se vc tem vontade de experimentar o modo de vida italiano, venha mesmo, pode ser que voce não fique rico financeiramente, mas com toda certeza se enriquecerá como pessoa experimentando novas formas de ver a vida. E com certeza a forma de ver a vida na Italia é bem diferente da do Brasil. Nos irrita muito no começo, depois começamos a entender e perceber que tem coisas bastantante positivas. Num país onde a desigualdade social (pelo menos na região onde vivo – não conheço a Italia toda ainda) não é tão gritante, a vida fica bem mais bonita. Apesar de fazer muita falta a energia de uma cidade como São Paulo, onde eu vivia, para mim está valendo muito a pena. E sem contar que num pulinho daqui, voce pode conhecer tantos outros países e tantas outras culturas. E com passagens a preços muito baixos.

  11. Brasil, interessantíssimo o tema do post.

    Concordo com o Rodrigo. Pobre europeu vive melhor que pobre brasileiro. Mas brasileiro de classe média que vai tentar a vida na Europa com uma mão na frente e outra atrás (como taaantos que a gente conhece), provavelmente vai ter uma queda brutal no padrão de vida, pelo menos no início.

    A música “É Preciso Saber Viver” é um clássico do rei Roberto Carlos 🙂

    Beijocas

  12. Ola gente,
    me chamo Rogerio.

    Eu tenho me perguntando muito se estah valendo a pena esta minha experiencia na italia. E chego a conclusao de que sim. Mas, concordo 100% com o Rodrigo, meu padrao de vida decaiu. Como classe media, no Brasil, vivia melhor. Como vida “pegueno burguesa consumista” no Brasil estava muito melhor. Pra quem tinha carro e sempre almocava e/ou jantava fora, ter de pegar metro+onibus, dividir quarto e comer praticamente sempre a casa eh uma caida brusca de qualidade de vida.

    Porem, vim preparado para isto. Concordando sempre com o Rodrigo, vim para uma experiencia, para sentir um pouco como seria o modo de vida italiano. Juntei dinheiro, fiz minha regularizacao da cidadania italiana e vim a roma para procurar trabalho na minha area. Jah falava italiano (bem, porem nao fluente) e resolvi tentar. E pra ti, anonimo, te digo: Sim, eh possivel. Eu consegui, em 15 dias, um estagio numa das maiores agencias de comunicacao da italia. Um misto de curriculo preparado e sorte, aquela historia de estar no lugar certo na hora certa.

    A questao agora eh saber se a troca (publicidade no brasil por publicidade na italia) vale a pena. Nao te posso te responder, por que estou aqui em roma menos de 1 mes. Nao consegui sentir ainda. Mas o que vejo sao os famigerados trabalhos a tempo determinado (a empresa te contrata com um trabalho a tempo determinado, pode ser de 01 mes ou 01 ano, por exemplo). Portanto, nao existe muita seguranca pra comprar um carro, para comprar uma casa, para poder fazer financiamentos em geral.

    Sobre a convivencia de italianos com extrangeiros, eh um tema complicado. Existem pessoas e pessoas, e como o Blog Brasil na Italia, eu estou tendo companhia de pessoas maravilhosas, mas sim, jah vi e vivi algumas situacoes em que nao me senti bem. Pra ilustrar um pouco: ontem voltava do teatro com duas amigas italianas. No carro, proximo a casa, avistamos dois homens que pareciam cuidar os carros estacionados na rua, como se quisessem rouba-los. Uma delas ligou para a policia e em(recomendavel nesta situacao) determinado ponto do dialogo, ela diz: nao, nao eram seguramente italianos, eram extrangeiros, pareciam romenos. Agora me digam:com um “sguardo” super rapido, num carro em movimento, como elas poderiam dizer que eram extrangeiros? E de mais a mais, qual o problema do ladrao ser extrangeiro ou ser italiano? Rouba da mesma forma, ou nao?

    Isto ilustra um pouco a visao dos italianos com extrangeiros. No entanto, esta experiencia esta sendo muito positivia. Aprendo um novo idioma, conheco novas pessoas, jah visitei mais cidades e paises que nunca pensei que fosse capaz, estou trabalhando na minha area (ganhando uma miseria, diga-se de passagem), enfim, curtindo um pouco.

    Desculpem a extensao do texto, me empolguei um pouco com o tema.

    Um abraco a todos, e in bocca al luppo!

    Rogerio.

  13. Salve Rogerio,
    Seja bem vindo voce tambem! Acho que a opiniao de diversas pessoas so ajuda quem esta lendo do outro lado do computador.
    Na Italia existe preconceito contra albaneses, romenos e marroquinos do mesmo jeito que em Sao Paulo existe preconceito contra “baiano” e no Rio contra “paraiba”. Sejamos honestos, no Brasil o preconceito eh contra pobre. Se voce eh pobre, no Brasil, a classe media ate faz de conta que respeita, mas depois comenta: “voce viu que o porteiro acabou de comprar carro 0Km!” como se fosse um absurdo, como se ele quisesse se igualar aos mortais de classe media… logo ele, o porteiro!
    Eh verdade, os salarios na Italia estao muito aquem do desejado, mas quem mora a longo prazo consegue ter uma vida com carro, restaurante e tudo. Voce esta aqui so ha um mes! Provavelmente tem que começar desde o começo. Quando cheguei, nem talher tinha! Tive que comprar tudo. Custa começar do zero. No Brasil, a maioria nao começa do zero porque tem familia. Nao da para comparar coisas diferentes. Sem falar na diferença entre real e euro. Se voce tiver 30 mil reais, isso significa 10 mil euros, que acabam assim, pluf! num segundo para quem chega sozinho e tem que começar do nada! Eh como 10 mil reais. Se voce for mudar de cidade, qto tempo se aguenta com 10 mil reais em uma cidade como Sao Paulo, com um aluguel de classe media que custa no minimo 1000 reais ao mes??? Eh a mesma coisa, so que mais dificil. Porque se quebrar sua maquina de lavar, vc nem sabe por onde começar… a menos que alguem te ajude…

  14. Tb encontrei esse blog atraves do google. E achei muito interessante.
    Tem 2anos que moro na Italia me casei e eu e meu marido italiano estamos querendo morar no Brasil,pois a vida aqui nao é facil. Ele tem 40anos trabalha em um banco e so recebe comissao tem mes que nao supera 200euros e eu trabalho como garçonete (lavoro nero) porque como tenho 30anos eles nao assumem porque se paga muito imposto. Tentei trabalhar como vendedora em Shopping e eles dizem que procuram pessoas no maximo com 24anos. Ontem mesmo vi no jornal da TV que Italia é o pais da Europa que mais tem gente trabalhando “nero” (sem contrato, sem carteira assinada, sem direitos) e é o pais que tem o menor salario anual em torno dos 12mil, esta em ultimo lugar e em primeiro a Gra Bretanha com 23mil euros ao ano.
    Estamos seriamente ir viver no Brasil com o dinheiro que ganhamos aqui mal conseguimos viver, nossos gastos mensais giram em torno de 700 a 1000euros, para quem nao tem trabalho fixo, nao pode contar com um salario mensal fica muito dificil. Esse gasto com é com divertimento ou com bobagens nao, sao so contas e aluguel.
    Tem muito italiano que esta investindo no Brasil, um amigo do meu marido abriu um local turistico em Belo Horizonte e um restaurante no Rio de Janeiro e conheci outro italiano que abriu uma fabrica em Sao Paulo e outro que quer comprar um hotel em Maceio.
    Quando falo que sou brasileira todos me perguntam o que è estou fazendo aqui na Italia…
    Italia é linda, vim acreditando que poderia ter uma vida melhor que no Brasil, construir uma familia aqui, mas nao tem sido como eu sonhava.
    Se eu encontrasse um emprego fixo e meu marido tb, penso que nao tornaria ao Brasil.
    Estou passando por um momento confuso ir viver no Brasil ou dar mais uma change aqui, na esperança de que tudo melhore.
    Desejo sucesso e muita sorte para os brasileiros que vem para ca.

    Tania

  15. Oi Tania,
    Obrigada pela sua mensagem e depoimento. Pode dar uma idéia para quem está planejando fazer as malas e partir.
    Em qual cidade da Italia você mora? Como fez para escolhe-la? Conta um pouquinho mais da sua historia pra gente! abs,
    B.

  16. Bom dia… Tenho uma dúvida, a maioria dos posts são de pessoas solteiras que foram tentar a vida na Itália, alguns legais outros ilegais… Gostaria de saber como seria a vida de um casal com um filho ai na Italia, todos legais. Custo de vida, trabalho. Obrigado.

  17. Também tenho curiosidade em saber se ir “começar” uma vida na Itália com a esposa pode ter alguma vantagem?!?!? Estou tentando tirar a cidadania italiana, e com muita vontade de ir morar em outro país no caso a Itália.

  18. O que esta acontecendo na Italia, a meu ver, é o que aconteceu no Brasil no inicio do século XX. A diferença é que o Brasil é um pais grande e com mais ofertas de trabalho (braçal principalmente) para os estrangeiros. Hoje em dia, com crises e tudo mais, a hostilidade com os extra-comunitarios é maior.
    Outra coisa que notei (e temo muito) é a visao dos italianos quanto ao estrangeiro. Claro que depende muito de pessoa para pessoa, de experiencias com outros estrangeiros e até da propria vida deles.
    Quando comecei o estagio do master, em Milao, notei um certo preconceito da parte da coordenadora em me mandar fazer estagio num instituto de cultura brasileira. O pior é que insitisti muito em me mandar para cidades perto de onde moro (como aconteceu com tantos colegas do sul da Italia que foram mandados para Roma)e citei empresas que tinham acordo com o Brasil (ja que a idéia fixa dela era me mandar para um lugar onde tivesse brasileiros). Até tivemos uma discussao a respeito e ela me propos uma alternativa: nao fazer estagio. Claro que nao aceitei, acabei indo para o tal lugar contra a minha vontade e cheia de complexos.
    Nao entendi muito bem o motivo dessa escolha, visto que o italiano ja falava bem (muitos dos meus colegas se impressionavam pelo fato de falar italiano e estar na Italia a poucas semanas)e no Brasil trabalhei por um bom tempo com italianos em orgao do Estado. Talvez por ser estrangeira? Sim ou nao, pois uma moça do Iran foi destaque do jornal da faculdade por causa da experiencia dela no master e do estagio que fez. Tentei justificar a coordenadora pela falta de experiencia dela (tantos dos meus colegas ficaram na fila de espera por 2 meses em busca de um estagio) e porque ela queria me ajudar (ajudar nao so por causa da lingua, de colegas da mesma nacionalidade, mas por causa do horario de trabalho que coincidia com o horario que das aulas).
    Uma outra experiencia foi aqui perto de onde moro. Mandei meu CV para uma pequena empresa (um dos patroes é conhecido), mas o problema é que a socia dessa empresa é uma pessoa muito exigente e queria alguém com experiencia no setor (nada de muito dificil aprender, ja aprendi trabalhos muito mais complexos que esse). Fiz a entrevista em menos de 5 minutos! Imagina! A questao-chave da minha “desclassificaçao” foi: “tem carteira de motorista?” (e o trabalho nao tinha nada a ver com o fato de usar o carro! Era so para se deslocar de uma sede e outra, nao no mesmo dia… e detahe: a regiao é coberta por meios de transportes – trem e onibus). A outra justificativa, de pessoas que conhecem a tal da socia, é que ela tem uma carater dificil, assim como a irma.
    Apesar das justificativas e outros pontos de vista (para nao pensar que elas estavam me discriminando), ninguém me tira da cabeça que elas nao me deram oportunidades pelo fato de ser estrangeira. A primeira pessoa por causa da lingua, ela tinha medo que no estagio as pessoas perdessem tempo comigo ou que nao fosse à altura de trabalhar com italianos. A segunda pelo simples fato de que sou como tantos outros extra-comunitarios que estao aqui para “roubar” trabalhos dos italianos (ainda mais aqui no norte, quase na Padania).
    G.

  19. @ G.
    Concordo sobre o fato imigração. A Italia está recebendo agora o fluxo de imigração, coisa que no Brasil aconteceu no fim dos 1800.

    Hoje as comunidades no Brasil vivem misturadas e na santa paz porque na verdade são os filhos, netos e bisnetos de imigrantes que nasceram e foram educados pelo sistema de educação brasileiros.

    Na Italia, como o processo é recente, estamos ainda na onda dos imigrantes, alguns já tem filhos aqui que começam a ser educados pelo sistema italiano que “unificará” todo esse grupo.

    Existem algumas pessoas que podem ter alguma implicância, digamos que o “santo” pode não bater. Acontece, não? Não imagino que essas pessoas tratariam mal um não italiano, talvez simplesmente não o deixem entrar no seu mundo. Mas a Italia felizmente não é feita só desse tipo de pessoa e terão outras que poderão fazer a experiência valer a pena.

    Dependendo do emprego, até os italianos podem ter dificuldade em conseguir trabalhar. Muitas vezes acontece que no meio do caminho surge um “indicado” e a vaga fica ocupada. Mesmo que o indicado não seja o mais capaz. É assim que funciona aqui por enquanto. Infelizmente.

    Vamos ver no que vai dar essa crise, quem sabe traz coisas boas, novos ares… Em geral esses periodos de transformação são positivos.

  20. isso é uma justiça que tão fazendo com nos brasileiro aqui na italiana

  21. ola.me chamo wanderley,tenho um grande sonho de conheçer a Italia e talvez trabalhar nela ,estou terminando o 2:grau ,mas lendo eses comentarios fico indeçiso,ainda nao tenho dupla cidadânia,mas sou bisneto de italiana,e como oque poderia fazer ai,tenho conhecimentos como eletrecista de carros ,ja fui cerreteiro ,hoje estou na área de vendas de ferramentas pneumatticase também conserto as mesmas,sera que tenho alguma chance na italia,gostaria de trabalhar na ferrari como montador de motores .mas tudo issi nao passa de um sonho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here