Na capa da revista semanal “Internazionale” desta semana o destaque é o Brasil. Uma ilustração que toma conta da página, com um desenho que lembra a caixa de um sabão em pó, com o texto: “A fórmula do sucesso – Como os brasileiros conseguem ter uma economia que cresce, o débito sob controle e o desemprego em queda”?

Obviamente fui correndo comprar a revista na banca assim que vi a imagem da revista na internet. O título da matéria era ainda mais interessante, dizia: “A lição brasileira – enquanto nos Estados Unidos e na Europa a crise econômica piora, as diferenças sociais aumentam, o Brasil está construindo um modelo de desenvolvimento mais sólido e uma sociedade mais justa. Apesar da corrupção e da criminalidade.”

Antes que os brasileiros daí comecem a dizer que não é bem assim, eu gostaria de convidá-los para analisar com calma e honestidade as mudanças dos últimos anos. O Brasil está longe de ser o paraíso, mas olhando aqui de fora a gente talvez consiga ver muitas mudanças que quem está dentro simplesmente acaba não percebendo no dia-a-dia.

Frases interessantes da matéria publicada na revista Internazionale

 Nos últimos dez anos 28 milhões de brasileiros saíram da pobreza extrema, enquanto nos EUA o índice de pobreza atinge records. O Brasil está na paz. Renunciou a armas nucleares. Tem uma balança equilibrada e um débito público sob controle. É um país caóticamente democrático, onde a imprensa é livre. O Brasil possui um quarto das terras úteis do mundo. E há apenas 5 anos foram descobertos na sua costa aquele que pode estar entre as maiores reservas de petróleo offshore do mundo. Os brasileiros estão no alto das pesquisas internacionais em relação ao otimismo dos cidadãos em relação ao futuro.

 Reflexão Brasil – Italia

Não tenho dúvidas que as diferenças sociais no Brasil ainda são muito maiores do que em um país como a Italia, que a segurança por aqui ainda seja melhor do que a daí, que o atendimento nos hospitais públicos aqui ainda seja melhor, que a qualidade das escolas públicas e a quantidade de pessoas instruídas ainda seja maior na Italia.

O fato realmente interessante é a tendência: enquanto o Brasil está agindo para se tornar um país mais digno, aqui acontece exatamente o contrário. A cada semana as notícias dos jornais italianos são mais dramáticas: aumento de impostos, empresários que se suicidam, corte na saúde, na educação, desemprego record, crise financiária, bancos a beira da quebradeira (inclusive o banco mais antigo do mundo, o Monte dei Paschi di Siena).

Aqui na Italia ninguém vê a tal da luz no final do túnel, é um momento de escuridão, um black out. Uma fase de esperar para ver o que vai acontecer. A geração da faixa dos trinta anos, digamos a minha, aqui sofre muito: é difícil conseguir emprego, ninguém sabe exatamente em qual direção investir. Tudo aquilo que parecia seguro e certo começa a se desmantelar.

Enquanto isso, a geração dos trinta aí no Brasil nunca viveu um período melhor. Para quem investe nas áreas certas, emprego não falta. Quem nunca teve carro, hoje pode comprar um (veja-se o trânsito caótico de São Paulo, por exemplo). Quem apenas sonhava em viajar, hoje consegue realizar o sonho, consegue fazer a primeira viagem para a Europa, provavelmente a primeira de várias.

Muita gente discute se esse boom veio para ficar, se é mais uma euforia momentânea. Eu espero que dure. Eu espero que o Brasil se torne um país mais digno para todos. E admito que a política de ajudar as camadas menos favorecidas funciona. Um Estado onde todos têm acesso a educação, cultura, alimentação, saúde é um lugar mais tranquilo e melhor para se viver. Inclusive para os mais ricos. Quer coisa mais chata do que ter medo de sair na rua e ser morto por um relógio? Todos nós sabemos que este é só o começo, mas é um ótimo começo.

9 COMENTÁRIOS

  1. Meus Parabéns a voce Babi..Bela matéria, excelente o texto. Eu fecho com voce em quase 100%, principalmente no tocante a Educação aqui e aí.Faço um trabalho online pela Europa e pude constatar que em Portugal, Itália e Espanha, a maioria dos meus clientes não possui curso superior, somente profissionalizante. Com a entrada do Lula no Governo, o Brasil está abarrotado de Faculdades, Universidades, e detalhe, com preços que cabem no bolso dos interessados, pelo menos aqui em São Paulo, os cursos estão com valores cada vez menores e aí se trava o conflito entre estas Instituições, oferecem mil vantagens para agarrar o pretendente..kkk.Sinceramente, me deu vontade de fazer outra a Faculdade, mas depois de duas e uma série PHD, o fosfato foi “pro pau”..gíria nossa.. Um beijo minha querida.

  2. Muito legal, Babi, pena que não encontrei a revista por aqui.
    Gostei de quando você escreve “O Brasil está longe de ser o paraíso, mas olhando aqui de fora a gente talvez consiga ver muitas mudanças que quem está dentro simplesmente acaba não percebendo no dia-a-dia.”. Realmente é isso que acontece quando você analisa a situação de fora e sem ufanismos.
    Um beijo

  3. Uau!! Que bacana, sim por mais que reclamemos, não podemos negar que mudanças estão acontecendo, e foram evidentes no governo Lula, e ainda continuam com menor eficácia no governo Dilma.

    Agora é o momento! Tb espero que o Brasil cresça na educação e na cultura! E, ainda, possamos superar tudo o que vc já citou.

    Bom post!

    Nana

  4. Obrigado pela sua visita.

    Sobre a matéria na Internazionale (revista que assino)… a matéria, apesar de ser de capa, é um pouco superficial. Nao sou pessimista, pelo contrario, mas temos que ser realistas. E’ verdade o que diz, mas o mais importante, talvez, seja o que nao foi dito. Acho a Dilma mais bem preparada que o Lula, mas na matéria ela està là sò por causa da popularidade do Lula (o que talvez seja verdade). Lula realmente fez acontecer. Foi sabio em manter a estabilidade do Real (criada pelo FHC). Deu poder de compra (mesmo pouco) a 20 milhoes de miseraveis. Isso foi realmente algo grandioso. Os meios nem tanto. Mas a economia ganhou uma força que nao existia, mas basta com as bolsas e auxilios. Basta com acordos e politicas para garantir o meu e o seu (Vide Delta). Quantos ministros do governo Dilma ja sairam de cena? E quantos deveriam ter saido no governo Lula (vide mensalao)? A corrupçao é um cancer que destroi todas as inciativas sérias e que ainda nos faz pensar muito sobre o nosso pais: se ainda preferimos estudar no exterior, se ainda preferimos produtos importados, se ainda preferimos viajar para fora, se ainda preferimos viver fora…

  5. Oi Alexandre,
    Obrigada pela visita e participação no site.

    Tenho certeza que ainda tem muito chão para o Brasil chegar onde nós brasileiros gostaríamos. E o problema não é só a corrupção como a desigualdade social.

    O fato interessante é que se hoje eu morasse no Brasil, não creio que largaria a minha vida lá para recomeçar aqui na Italia. Agora que já estou aqui, continuo porque seria necessário muito empenho para simplesmente trocar o seis por meia dúzia… Mas fala sério: você acha que vale a pena largar a vida no Brasil para morar na Italia em 2012???

    Acredito que essa política de dar subsídios funcione, enquanto existir tanta miséria. O problema será quando todos se transformarem em classe média, mas isso significa que a vida no Brasil já será boa para todos.

    Não dá para pensar em viver em um país onde existem tantos garotos de rua, que foram totalmente excluídos da sociedade e que vêem como única alternativa as drogas, o tráfico, o roubo. Ou de gente que cresceu achando normal escutar um tiroteio na frente de casa. Fala sério, parece coisa de programa de ficção, mas conversando com algumas pessoas a gente descobre que essa era a realidade do dia-a-dia delas.

    O que acho interessante é ver que as coisas estão melhorando seja para quem vive dentro da bolha – a elite – como para quem vive fora dela. E talvez seja por isso que o Brasil é notícia em tanto lugar.

    Um abraço e até a próxima,

    Barbara

  6. Com certeza tem muito chao e algumas geraçoes para chegar onde nos gostariamos. A desigualdade é consequencia, também, da corrupçao.
    Concordo quando diz que nao largaria hoje o Brasil para morar na Italia, mas diz por causa do sucesso do Brasil ou a crise na Italia? : ) Dependendo do lugar eu até largaria.
    Eu morava no Rio. Classe média da zona sul. Tiroteiro, transito, arrastao, natureza, clima bom, praia etc… essa era a realidade.
    As coisas melhoraram para quem esta na bolha sim. Os ricos sao mais ricos e o bancos também. Os miseraveis sao pobres e o pobres sao menos pobres. Sim é um começo…

  7. Boa pergunta: um pouco pelo sucesso do Brasil e um pouco pela crise da Italia. E talvez um pouco pelos preços de passagens aéreas que facilitam as viagens e podem matar essa sede de conhecer novos lugares sem todo o trabalho de mudar de país. Nossa, só de pensar já me sinto cansada, como é cansativo fazer novas relações de amizade, de trabalho, encontrar uma casa com cara de lar, aprender os segredos do novo lugar (que a gente nem se dava conta da importância na nossa cidade natal)… entre tantas outras coisas.

    Sabe que eu gosto muito do Rio. É uma cidade especial, que só não é perfeita como você disse por causa da violência. Fala sério: terminar o dia com uma caminhada no calçadão e pausa no quiosque para tomar água de côco… É muito bom!

Comments are closed.