Eu quero começar este post agradecendo aos vários e-mails e mensagens dos leitores de BRASIL NA ITALIA. Mesmo que às vezes não tenha tempo para responder a todos, adoro ler os recados e, principalmente, trocar opiniões e dicas. A interatividade é a razão de existir desse blog, senão eu apenas escreveria meus pensamentos em uma folha de papel ou em um arquivo de texto privado.

Tudo isso para chegar a resposta a uma das perguntas mais freqüentes que recebo: “vale mesmo a pena largar a minha vida no Brasil para ir morar na Italia?

Atenção esse artigo foi escrito originalmente em 2008, apenas 3 anos depois que vim morar na Itália. De lá para cá minha opinião mudou um pouco e você poderá ler minhas novas anotações em detaque, ok?

Sim, vale a pena. Nao vou começar com aquele papinho de depende do que você quer e blablá. Vale a pena sem sombra de duvida. Vamos analisar as suas possibilidades:

1) Você tem uma experiência terrível, odeia a Itália, os italianos, tudo, enfim.

2) Você gosta da vida italiana, mas independente de qualquer coisa esta vindo para passar uma quantidade determinada de tempo.

3) Voce se adapta bem a cultura e resolve não voltar mais para o Brasil.

Em qualquer uma das três possibilidades enumeradas, tenho certeza que você sairá mais rico. Não necessariamente pela conta bancaria, mas como pessoa. Aprendera’ a dar valor para coisas que considerava “normais” e “certas”, que na verdade não eram nem tao normais e nem tao certas.

mudar-de-pais-vale-a-penaDescobrira que existem modos diferentes de ver o mundo e de viver e poderá escolher quais são as coisas que mais importam neste seu resto de existência.

Talvez voce encontre na Italia o que procurava. Afinal, se não estivesse em busca de alguma coisa, não teria se dado ao trabalho de sair de casa, não é mesmo? Talvez encontre uma coisa e perca uma outra, que ja parecia “achada”. Ou pode ser que não encontre nada porque simplesmente esteja procurando no lugar errado.

Se afastar daquilo que é conhecido muitas vezes ajuda a descobrir novas possibilidades sobre o seu “eu”. Em geral, convivendo sempre com as mesmas pessoas, voce tende a ser rotulado como alguém que eh assim e assado. Mas talvez voce também queira ser frito ou cozido e talvez ja tenha enjoado de ser assado. A distância ajuda a colocar as ideias em ordem e talvez voce descubra que simplesmente odeia rótulos porque prefere ter possibilidades invés de limitações.

Viajar sozinho serve para descobrir a sua força individual e o poder do Universo. Perceberá quantas portas se abrem para te ajudar quando você mais precisa e menos espera. Cada obstáculo superado será um sinal de que você pode e de que eh capaz. E as coisas darão certo porque simplesmente o “dar errado” não existe (pelo menos quando voce faz tudo dentro da ética e do bem). Boa sorte para todos nós!

Voce que ja largou tudo para arriscar a vida em outro pais, deixe um recado aqui para aqueles que ainda pensam em partir. Os futuros aventureiros agradecem.

Opinião 2016: se é verdade que mudar de país ajuda a abrir a mente e descobrir a força que você tem, por outro lado às vezes simplesmente dificulta as coisas. Dificulta a sua carreira porque você terá que se reinventar em uma outra língua e em uma cultura nova já que muitos profissionais, inclusive com experiência no setor, não conseguem manter a mesma carreira na Itália. Dificulta sua vida pessoal porque quando você formar sua família (e tiver filhos) estará longe da sua família no Brasil para sempre e isso pode ser muito complicado. Isso se seu casamento continuar dando certo porque conheço brasileiras que ficam “presas” na Itália no sentido que o marido não deu autorização para elas levarem os filhos de volta para o Brasil sem ele e nesse caso elas tem que escolher entre ficar com os filhos na Italia a contra gosto ou abrir mão deles e voltar ao Brasil sozinha. Dificulta porque você vai ver seus parentes adoecerem e falecerem no Brasil e você simplesmente estará longe. E por mais que as pessoas digam: é só pegar um avião nem sempre isso é possível porque você pode não ter férias no trabalho, pode não ter 1000 euros para ir e voltar sempre que quiser, pode não ter condições de ir e vir como se fosse uma simples ponte aérea: é um vôo intercontinental, com 12 horas de duração no mínimo e um oceano no meio do caminho. Pensem bem. Para uma experiência temporária de poucos meses acho que vale a pena, mas sem um objetivo preciso.. bem, pode não valer. Fica aqui a minha reflexão em duas fases diferentes. Vai saber o que vou escrever daqui 10 anos?

Leia também: 10 respostas para a pergunta “se não gosta da Itália por que não volta ao Brasil”

16 COMENTÁRIOS

  1. Ótimo texto. Ainda não sei o seu nome, mas de qualquer forma meus parabéns. Nossos blogs realmente tem uma linha muito parecida. Gostaria que você visitasse e pudesse dar sua opinião também. Sei que a vida de BLOGueiro é corrida, mas de qualquer forma fica o meu convite aqui. Estarei sempre prestigiando o seu trabalho. Até mais.

  2. Primeiro queria parabenizar vc pelo blog, que acompanho desde q decidi ir para Italia, e também pelo texto q é realmente muito bom!!! Conseguiu aumentar minha vontade de viver ai…
    Eu e mais um amigo aqui de Balneario Camboriu, em Santa Catarina, estamos voando para Italia em setembro, sem perpectiva de volta! Nos dois temos a dupla cidadania e estamos nos formando em jornalismo agora…
    Tenho tios que moram em Verona ha uns dez anos e, a principio, vamos ficar por lah…ateh as coisas se ajeitarem e nos virarmos tranquilos!!!
    Estamos ansiosos, contando os dias para a viagem…e temos tudo para dar certo…jah me viro no italiano, ele vai estudar o q puder nos proximos dias!!
    Como vc falou no final do texto, com ctza as coisas vao dar certo sim! Somos pessoas muito do bem, sem frescura e sensatas…
    Quem sabe um dia a gnt ainda toma um vinho juntos por ai…ninguem sabe neh?! 😀
    Se quiser manter algum contato meu nome é Gustavo Zonta e meu amigo é Fernando Assanti…soh nos procurar no orkut!! Facinho…
    E o seu contato??

    Mais uma vez parabens pro seu blog!! Obrigado pelo empenho de colocar todas essas informacoes no ar…valeu mesmo…nos ajudou muuuuiiittoooo!!!

    ci vediamo!!

    ;*

  3. Oi Gustavo, oi Fernando!!
    Boa viagem para voces. Aproveitem as varias despedidas que provavelmente rolarao ai no Brasil. E depois que chegarem continuem visitando o blog e contando suas aventuras.
    No que eu puder ajudar com dicas ou informaçoes, estou sempre por aqui.
    Abs e boa viagem!
    B.

  4. Oi blog
    Fazia uns dias que eu nao entrava aqui e conferia as novidades. Eu te invejo viu, na boa (hehe) por conseguir manter um blog bacana, com posts frequinhos a todo momento.
    Um dia, prometo, “ce la farò”.

    Bem, para contribuir um pouco com esta discussao: sim, vale a pena largar a sua vida e vir para o exterior, mas nao pode achar que no outro pais a sua vida vai “se resolver” num passe de magicas.

    Muita gente sai do Brasil com este pensamento, e depois ve que nao eh nada disso.

    A vida, seja aqui em Roma, em Firenze, em Londres, Sidney ou Porto Alegre, eh feita de altos e baixos: de pagar contas, de receber salario, de trafico, de poluicao, de fila, de sexo, de amores… Ou seja, nao eh facil, nem dificil, eh VIDA.

    Eh levar uma vida eh assim mesmo: idas e vindas, trabalho e diversao, dia e noite. Em qualquer lugar.

    O “primeiro mundo” nao vai transformar a tua vida de um dia para o outro. Tu nao deixarah de ralar tanto ou mais (ou menos) que no Brasil, para garantir sua qualidade de vida, soh por que de um dia para o outro passou a viver na Europa.

    Portanto, a resposta a esta pergunta sobre largar tudo esta intimamente ligada as suas expectativas. O que voce quer para tua vida.

    Mas como o Blog sabiamente comentou, sempre tu vai sair mais rico. Vai aprender um novo idioma, vai conhecer novas pessoas, vai viver outras experiencias. E como a nossa vida eh uma soh (ok, deixamos a discussao sobre espiritismo e reencarnacao para outro post…) e no além tu nao vai poder gastar teu rico dinheiro, o que a gente leva mesmo sao as experiencias.

    E portanto, neste sentido vale a pena. A minha experiencia particular eh esta. Sou publicitario, tinha vida suuuuper comoda em porto alegre, trabalhava numa grande agencia, tinha carro, status e amigos. Mas tinha o sonho de viajar para o exterior: nao para passar 20 dias e voltar, queria morar, conhecer outra lingua e cultura, fazer novos amigos. Larguei tudo e vim. Meti a cara.

    Amigos no Brasil nao concordaram, disseram que eu era louco. Outros incentivaram.

    Eu nao sei ate quando eu fico aqui, se eh pra toda a vida ou se ate o proximo ano. O que eu sei eh que estou realizando o meu sonho e estou muito feliz.

    Acho importante ressaltar esta questao: nenhum lugar vai te trazer uma vida facil. Uma vida nao eh facil. Eh feita de conquistas e derrotas. No Brasil e fora dele. Alias, isso eh torna a vida maravilhosa. Voce ralar para conquistar um objetivo.

    Entao, pense bem, analise quais sao suas prioridades e faca as malas. Ou nao.

    Abracos,
    Rogerio.

  5. Oi Rogerio,
    Bom ver voce por aqui.
    O importante eh saber que sempre eh possivel voltar para o Brasil, sem motivo para ter vergonha de nada. Anzi…
    Antes de vir para a Italia, uma amiga brasileira que tinha morado 3 anos em Portugal, me disse: “voce quer ir para a Italia, vai, voce vai descobrir que nao existe lugar melhor do que o Brasil.”. Ela tambem eh publicitaria. Apos o retorno ao Brasil, arrumou um emprego bom, recolocou a vida ao normal. E… arranjou um namorado espanhol!!! Enfim, continua com o pezinho na Europa… 🙂
    So que o emprego ja esta cansando de novo… e agora ela esta se preparando para virar professora de yoga em Sao Paulo. Viver eh isso, arriscar e provar caminhos. De repente a soluçao esta dentro da gente, eh so ter tempo para olhar la…

  6. ótimo post B.

    Rogério, também sou publicitário, como é o mercado ai?
    É possível viver com um padrão de vida razoável? E as agências como são?

    Abraços,

    k

  7. Oi Conrado.
    Eu ainda estou conhecendo o mercado publicitario e de comunicacao daqui, nao te posso dizer muita coisa. O que posso te dizer eh:
    1) padrao de vida confortavel. Pergunta que exige uma resposta mega relativa, como tantos posts que jah circularam por aqui. A italia eh meio socialista neste caso, tu ganha mais ou menos a mesma coisa que um garcon. Parece brincadeira, mas eh verdade. Claro que se tu for um top executivo vai ganhar bem, mas pra quem comeca de baixo… bai ganhar seus 1.000 euros, menos.
    2) dai a ter uma vida confortavel vai depender do teu estilo de vida. Quer morar sozinho num bairro bacana? Soh de aluguel tu pagar mil euros. Quer fazer academia da hora? O abanomaento anual vai te consumir mil euros. Quer comer fora no restaurante bacana toda a noite? precisa ganhar salario de 5.000 euros…Quer pegar taxi toda a noite ao invez de usar transporte publico?.. melhor nao vir pra italia.

    As agencias na italia sao muito parecidas como no Brasil. Talvez com a diferenca que aqui se ocupam mais de criacao, enquanto no Brasil o servicos estao mais generalizados. Uma diferenca fundamental: aqui a compra, gestao e planificacao de midia eh centralizada em Centros de Midia, ou seja, fora da agencia. Nao eh como no Brasil, onde este trabalho eh feito dentro da estrutura da agencia. Todas as grandes agencias tem sedes aqui na italia. Y&R, Publicis, McCain, JWT, ecc. A maior 100% italiana se chama Armando Testa e Fabrica (do mitico Oliviero Toscani).

    E o mercado esta 90% concentrado a milano. A roma, todas tem um escritorio, mas sao representacoes pequenas.

    Abracos a todos!
    rogerio.

  8. oi, em 3 da agosto vai fazer exatamente 3 anos q eu coloquei minha “mochila” nas costas e adeus brasil, me aventurei e estou na italia, devo dizer q se vc começae esta estrada, nao olhar pra traz, eh dificil sim, muito dificil claro seguramente…. mas se as coisas seriam facil nao teriam graça…. eu nao aconselho ninguem a deixar a casa, mas nao desaconselho….. façam a vossa escolha abraço a todos….

  9. Realmente, esse post matou a pau. Muito bom mesmo. Parabéns! Caras, penso muito em ir para a Itália, tentar trabalhar com automobilismo ou esporte (minha área de formação), mas bate um medo de vender aquele carrinho velho para pagar a passagem, de não conseguir me virar com o idioma, não conseguir trabalho…eu sou meio bundão para essas coisas confesso…rsrsrs. Mas, lendo o que vocês escreveram ganho um pouco mais de ânimo. Espero um dia ir a Itália. trabalharei para isso

    Abraços!

  10. Em primeiro lugar gostaria de parabenizar a tua iniciativa, pois sinto muita falta de trocar com outras pessoas o que estou passando no meu projeto de imigração. No meu caso decidi vir para a Itália quando tinha 37 anos, já de certa forma estabilizado na minha carreira. Mas como não havia tido uma experiência internacional antes, percebi que se não fizesse isso agora não teria mais disposição. Largar tudo o que se tem não é fácil, aviso aos amigos. O que me atraiu foi a possibilidade de me tornar cidadão italiano de forma rápida e de ter portas abertas na UE, o que consegui depois de dois meses. Sou um imigrante recente, pois completei seis meses de “aventura”. Não vim com o objetivo de fazer fortuna, pois sabia que isso era uma quimera, mas para enriquecer-me como pessoa, profissional e marido. Acho que já passei por duas das três fases que você citou no seu texto. Ainda não cheguei na paixão. Para os que pretendem vir para cá, não esperem facilidades, a menos que já tenham parentes bem inseridos, o que não foi o nosso caso. Eu e minha esposa passamos (e estamos passando) por privações inimagináveis no Brasil. Moramos num quarto e sala pelo qual pagamos 500 euros – o que é considerado barato. Então é fundamental estar preparado para um custo de vida altíssimo e trazer uma boa reserva de dinheiro. De 5 mil euros para cima.
    Embora os que tenham dupla-cidadania sejam considerados tecnicamente cidadãos, na prática, e principalmente nos primeiros tempos, ainda são tratados como estrangeiros. Mas óbvio que isso muda com o passar do tempo. Tenho primos distantes que estão perfeitamente integrados. Para concluir, concordo plenamente com o que você escreveu. Seja qual for a experiência que você tiver, com exceção dos desfechos trágicos, será muito enriquecedor.
    Um abraço a todos e coragem.

  11. Olà , eu um dia desse farei o caminho contrário … Atè agora sempre viajei mais pelo prazer de conhecer os lugares e os povos , ficava nos outros paises por 6-7-8 meses e depois voltava pra itàlia ( essa tbm è a ùnica forma que achei pra ganhar rapidamente o dinheiro pra viajar ) .. Com um pouco de medo porèm acreditando , tentarei viver là na terra …Sorte a todos

  12. Amiga, tenho acompanhado seu blog desde que cheguei aqui em Firenze, há 5 meses com prazer, pois acho vc sencacional e nos passa uma sensação de amizade, mesmo que virtualmente falando. Confesso que tinha uma idéia totalmente distorcida da Italia que conheci como turista. Tudo que vc posta nas dicas eu passei na pele, tipo carregar o lixo prá fora, tomar banho de pinguinho etc.. Cada leitura foi uma gargalhada a mais, pois é a maneira como eu tento levar as coisas aqui: rindo. Decepcionei-me com os italianos, eu que tinha um orgulho absurdo da minha dupla cidadania, vi-me tratada como extra comunitária,como imigrante, coisa que eu não sou e nivelada por baixo. A bem da verdade, isto foi no início, agora parece que as coisas melhoraram. Entretanto, a visão distorcida refere-se à educação italiana( a que falta, já que ela não existe), jovens atropelam os mais velhos nas calçadas e ou se vai pro meio da rua com risco de ser atropelado por um carro ou se é atropelado por gente; falam aos gritos, se falar baixo nao te escutam; a sociedade italiana está falida; a classe média depois do euro é pobre, mais pobre que a classe média baixa brasileira; não gostam de trabalhar, haja vista que no mês de agosto, simplesmente 30 milhões de pessoas vão al mare…. e ganham 1000 euros por mês pagando 600 de aluguel. por isso que comem tanto macarrão! 50 centavos o kilo! A tão famosa cozinha toscana é insossa e sem graça. A cozinha italiana que nós brasileiros conhecemos é mais a do sul; nunca comi tanta pizza ruim e pior, na hora do almoço, coisa q se vc pedir em SP nesse horário te colocam prá fora do restaurante. Só mesmo na Pizza Hut e olhe lá. O pior é que eles conseguem estragar as maravilhas de matéria prima que têm! As tendências pouco ortodoxas sexuais dos italianos também assustam um pouco,,,, As sobrancelhas depiladas, as unhas feitas, as calças agarradas usadas com mocassin cor-de-rosa, isto nos machões… ai,ai, ai…Na esquina da minha casa há uma gang de drogados todos os dias , desde as sete horas da matina bebendo e se injetando a céu aberto. A polícia??? Só Deus sabe onde anda, provavelmente dormindo dentro dos carros com AC ligado como eu já vi no San Lorenzo às 2 das tarde enquanto os senegaleses fazem a festa! Assim como o preconceito entre os nortistas e os ditos meridinales…. ai, ai, ai.. já vi esse filme ao contrário no Brasil! Adoraria poder trocar mil idéias com vc! Confesso que estou com banzo!!! rsrsrs Ah!!! Esqueci de dizer da saúde pública, mas isso é um papo prá outra vez…. SUS é o MUST!!!!

  13. Que interessante esse blog!!

    Navegando pela net, em mais um dia de tédio e solidao na Italia (merecia nome de filme), me deparo com as pérolas publicadas aqui. Detive-me nesse post que fala de valores e resolvi comentar.

    Sou Brasileira. Casei-me com um médico, italiano, que conheci na internet. Larguei tudo e estou aqui hà quase seis meses. Romantico? Talvez a parte do encontrar na net e o casamento.. mas é sò. Cheguei aqui num frio tao grande, como jamais havia sentido. Frio por dentro e por fora. Frio de saudade, de medo do desconhecido, de perda da identidade construida em tantos anos.
    Tenho uma vida confortavel aqui. Casa propria, carro e marido com salario fixo mensal. Concordo com o comentario anterior sobre o achatamento da classe media (a qual pertenço) com o advento do Euro na Italia, mas como minha classe média jà era chatééérrrima no Brasil, nao estranhei muito e sigo de cinto apertado e economizando cada grao de arroz (ou fio de pasta) que posso. Sem dramas quanto a isso.
    Drama, isso sim, é nao conhecer ninguém ainda. Nao ter documentos, ainda, por processos burocraticos (velhos conhecidos também) e consequentemente nada de estudos formais, ou trabalho formal.
    Nao tive dificuldades com o falar Italiano. Absolutamente. Fiz um intensivo de 3 meses no Brasil e bastou. Vim duas vezes antes de vir morar definitivamente e a pratica foi suficiente. Pian piano vou aprendendo a lingua. Tenho lido, em italiano, livros maravilhosos, assistido a filmes fantasticos e seguido a minha aventura.
    Alguém aqui falou em banzo. Ai! Isso dòi. Comecei a valorizar cada detalhe, que à época me fugiu à percepçao, de acolhimento, carinho, cuidados e amor que recebi no Brasil. Sinto muita saudade da familia e dos amigos.
    Sinto falta de alguém que faça os serviços domésticos, os mais chatos, como passar roupa (argh!) e lavar banheiro. Ai que falta que faz uma manicure!!!!!

    Saldo de balanço: Inverno negativo. Primavera: neutra com tendencias a melhora (algumas obras primas de flores que estao por toda parte). Depois do verao: positivo. As praias aqui na Sicilia sao lindas de morrer. Nao tem o charme das brasileiras, nem a areia fina branquinha… mas as estou desfrutando com muito prazer.

    Vim pra ficar. Vou construir raizes aqui. Quero fazer vida aqui. Um amigo publicitàrio (como eu) no Brasil, nos tempos dos LP (long plays) me dizia sempre: tudo na vida tem um lado bom…. menos o disco do Wando.

    Saluti.
    Luiza.

  14. Eu respondo a pergunta:

    “mas vale mesmo a pena largar a minha vida no Brasil para ir morar na Italia?”

    Com um:

    Vale a pena sempre tentarmos mudar nossas vidas, tudo nos engrandece, mudar de pais, para qualquer um que seja vai valer a pena.

    Mas sinceramente, escolham um pais melhor e menos quebrado, morei 2 anos na Italia, de bom tirei a comida e o vinho.

    Ganhava menos do que no Brasil, isso ja me irritava, como pagam mal os italianos, mesmo em euros.

    Sem contar ficar procurando emprego por mais de 4 meses.

    Mas a Italia eh muito bonita, recomendo a qualquer um visita-la, aproveita-la, mas para morar?

    Escolha melhor, pois existem inumeras melhoras opcoes.

    Eu mudei para Londres, e vou dizer, ganho 4x mais, vivo melhor, viajo mais, aproveito mais… como eh bom nao se sentir vigiado por todos os vizinhos, como eh bom nao ser discriminado, como eh bom ganhar decentemente, como eh bom me sentir realmente integrado, pois na Italia fazem o discurso hipocrita que os estrangeiros tem que se integrar.

    Aprendi italiano, tentei realmente me integrar, o que consegui?

    Nada.. soh hipocrisia, falsas amizades, soh no interesse de ganharem algo no meu conhecimento profissional…

    Italia para morar? jamais novamente.

    Que se quebrem sozinhos, e que nao gritem meu nome la do fundo do pocinho que eles estao cavando!

    Rodrigo Fante
    :: Lugar de Homem é na Cozinha ::
    http://www.lugardehomem.com

  15. Ciao B. tudo bem?

    Eu penso que sim, é super-hiper vàlido trocar a vida no Brasil pela Italia, por ‘n’ razoes

    O que vejo ‘spesso’ é que muitos amigos vem à Italia com o pensamento de fazer fortuna, ficar rico e com este dinheiro retornar ao Brasil, assim como os migrantes brasileiros nas décadas passadas faziam em direçao aos Estados Unidos.

    E na Itàlia o ‘viver bem’ sempre se sobressai ao ‘ganhar bem’, em diversos aspectos. Basta ver os horàrios de trabalho, o famoso intervalo no horàrio do almoço, o sistema de remuneraçao mensal,

    Por isso alguns acabam se frustando! Todo amigo que chega aqui eu sempre pergunto: qual o seu objetivo de vida?

    Se for ganhar dinheiro a opçao é ir a Londres, Irlanda…

    Agora se for viver bem, educar os filhos, a Italia é imbativel!!!

    Bjsss do Saga

  16. Pois é, estou na Italia, Modena, ha' sete anos, e quero voltar correndo para Sao Paulo. Além de ter a dupla cidadania, sou castanha-clara e olhos verdes, engenheira quimica e tenho 35 anos. Nunca me arrependi tanto de ter vindo para ca'. Os italianos sao grossos, mal-educados, e sempre somos considerados "extra-comunitarios", mesmo com a dupla cidadania. E quem pensa que isso muda, nao muda nunca! Além do mais agora, com a crise que esta' pegando feio por aqui.
    Quero voltar este ano ainda em SP e continuar minha vida la', perdi muito tempo estando na Italia, nao vale a pena. A imagem que se tem da Italia no Brasil é falsa, a comida é boa, mas nao a melhor do mundo como os italianos a consideram. Enfim, nem a lingua ajuda a arrumar um bom emprego em SP, pois o top é o ingles e o espanhol.
    Enfim, tempo perdido. Talvez para meu ego interior nao, mas para a minha vida profissional sim, mesmo tendo reconhecido o diploma aqui, os 1000 euros por mes é uma pobreza!
    State attenti, perché la vita è corta… non vale mica la pena venire qua.
    Bacione e fortuna a tutti noi!
    Monica 😉

Comments are closed.