Se existe um lugar especial e diferente neste mundo é Pitigliano, um burgo esculpido no tufo, um tipo rocha característico da região. Assim que você chega nos arredores da cidade, vê de longe uma colina com no topo rochas que se unem a casas como se fossem uma coisa só: a sensação é de apreciar uma escultura de grandes dimensões.

Embora a origem de Pitigliano seja antiqüíssima – alguns falam em período dos etruscos (muitos séculos antes do nascimento de Cristo) –  o burgo que você encontra hoje foi construído na época medieval. Isso significa que do lado de dentro você encontra as clássicas ruazinhas estreitas e a maioria das construções do centro histórico guarda até hoje as características da arquitetura da época.

Pôr do sol em Pitigliano

Pitigliano é uma daquelas pedras preciosas escondidas e pouco conhecidas aqui na Toscana. Talvez pela sua localização, já que fica um pouco fora do tradicional circuito turístico Florença-Siena-San Gimignano-Pisa. Os toscanos chamam o território onde está inserida Pitigliano de Maremma e é uma espécie de área selvagem: para chegar até a cidade você vê muita natureza, na estrada poucos carros, vários sítios com ovelhinhas, é aquele clássico lugar onde os italianos vão para relaxar e esquecer dos problemas do mundo. Para quem vem do Brasil, eu sugiro que faça um itinerário partindo de Roma de carro em direção a Maremma e de lá você pode subir para Siena e Florença.

Uma viagem pela Maremma e as ovelhinhas no meio do caminho

A primeira vez que estive em Pitigliano foi em 2010, na época estava cobrindo o evento Vivamus – um festival de verão que acontecia em diversas cidadezinhas nos arredores – e tive o prazer de visitar esse pequeno vilarejo. No entanto eu estava de passagem, com poucas horas para curtir a cidade. Ficou então o sonho de voltar a Pitigliano e melhor ainda: me hospedar em uma casa esculpida na rocha. Para minha felicidade encontrei a casa perfeita:  não existirá hospedagem mais exclusiva do que a Casa degli Archi!

A Casa degli Archi em Pitigliano

Casa degli Archi em Pitigliano: um lugar único no mundo

A primeira impressão que eu tive ao entrar na Casa degli Archi foi a de estar hospedada em uma suíte de hotel de luxo super exclusivo. Na verdade era até melhor do que um hotel de luxo porque muitos quartos de hotel são impessoais, praticamente você poderia transportá-los em qualquer outro lugar do mundo e daria na mesma. Mas com a Casa degli Archi não: ela foi feita sob medida para Pitigliano e você percebe isso quando entra.

A casa tem praticamente 3 salas: logo na entrada você vê a sala da lareira, em seguida tem a sala de jantar e em seguida a sala da televisão. Além disso, existe uma pequena cozinha com todos os instrumentos necessários para a sua estadia: fogão, geladeira, panelas, copos, saca-rolha (!) e até uma máquina de lavar roupas.

Existem dois quartos: o primeiro fica logo a direita da porta de entrada e eu dormi nesse. A particularidade deste quarto na verdade era o banheiro, que possuía uma deliciosa banheira com hidromassagem e a pia e o espelho ficavam praticamente em uma abertura feita na rocha. O resultado era esteticamente belíssimo (veja a galeria de fotos abaixo).

Já o segundo quarto ficava na outra extremidade da casa, garantindo uma boa privacidade para outros eventuais hóspedes. Embora este quarto fosse um pouco menor do que o meu, ele tinha uma vista para a parte externa do burgo de Pitigliano. Além disso, para chegar no quarto era preciso passar por um corredor de tufo, que de noite, iluminado era um verdadeiro espetáculo. O banheiro também era menor do que o meu, não tinha a banheira e sim um chuveiro, mas também era exclusivo: ele possui um fosso onde na época medieval jogavam o que não servia e nesse tipo de fosso é comum encontrar restos de cerâmicas e objetos históricos interessantes.

Casa degli Archi, Pitigliano, Maremma, Toscana, Italia

Agora me diz quanto você acha que custa dormir em um lugar desses? Uma fortuna? Nada disso, o preço máximo do quarto onde eu fiquei, por exemplo, era 200 euros a noite. Mas se você se hospedar em baixa estação pode aproveitar de ótimos descontos. Apesar da casa possuir dois quartos, em geral a casa é alugada apenas para uma pessoa por vez. Isso significa que você não vai acordar de manhã e encontrar um desconhecido na cozinha. Por outro lado, se quiser viajar com os filhos ou um casal de amigos, sem problemas!

Se você também quiser se hospedar lá eu sugiro que entre em contato diretamente com o Cristiano da Justintoscana (justintoscana@gmail.com ou tel +39 0564 616801), que é um fofo e se encarregou de organizar o weekend para mim porque estou em uma fase de correria enlouquecida por aqui. A namorada dele é apaixonada pelo Brasil, tem parentes que moram no Rio, então já viu né, o fato de ser brasileiro conta pontos a favor! (Digo isso com orgulho porque tem gente acha que ser brasileiro é um defeito…)

Lá tinha um guestbook novinho em folha e eu deixei lá uma mensagenzinha sobre a minha estadia. Quem sabe quando você for lá se o livro ainda será o mesmo e o meu recadinho ainda estará lá… 😉

O que fazer em Pitigliano

Pitigliano é um burgo medieval pequeno: você praticamente pode caminhar por todas as suas ruas em um par de horas. A grande atração é mesmo viver a cidade e a sua história. Você pode começar visitando o Palazzo Orsini. Quando entrei tive a sensação que era pequenininho, aí começa um sobe-desce escadinhas para lá, uma passagem secreta para cá e você se diverte vendo o quanto influente e poderosa deveria ser a família Orsini no passado. O palácio iniciou a ser construído no século XII pelo conde Aldobrandeschi de Sovana e desde então passou por uma série de ampliações e reformas. Você passa por 18 salas: tem a sala das jóias, dos objetos de tortura do passado, mas a minha favorita foi a biblioteca com livros antigos ainda escritos a mão. Hoje ler parece um direito de todos os cidadãos, mas naquela época era um verdadeiro luxo! Não é uma coisa louca?

Palazzo Orsini: muitos afrescos, uma vista panorâmica da cidade e salas interessantes

Minha segunda dica é: aproveite para curtir os sabores da Maremma. O meu restaurante favorito do weekend foi “Il Ceccottino“. Não era o mais barato, cada prato custava uma média de 10-15 euros, mas tudo que comemos estava uma delícia. Eu, que adoro carne de javali (um dos pratos típicos da Toscana), não tive dúvidas sobre o que escolher seja para acompanhar a pasta (pappardelle al cinghiale com sabor de massa feita em casa!) como para o segundo prato. Meu marido optou por um coelho que estava delícia! Tudo acompanhado de um vinho SassoTondo, afinal tínhamos visitado a cantina algumas horas antes.

Um dos meus pratos favoritos: pappardelle al cinghiale (javali)

Aliás, comida não é um problema por lá: passamos na frente de trattorias onde uma pizza margherita custava 3,50, além disso recomendo sempre pelo menos um dia na hora do almoço de passar em um panificio ou salumeria e fazer um belo sanduíche com presunto cru ou com os salaminhos típicos da região. Nós fizemos um verdadeiro piquenique nos arredores das Vie Cave, um outro passeio interessante e diferente que você pode incluir no seu programa. Espero falar sobre as Vie Cave com mais detalhes em breve!

Para completar não deixe de fazer a estrada do vinho da região, pare em uma cantina, experimente um vinho, visite as cidadezinhas nos arredores, tire um dia de descanso em um spa termal, faça uma massagenzinha para descansar e prossiga a viagem. Abaixo a minha galeria de fotos da última viagem a Pitigliano.

Pitigiano, Centro Histórico

Informações práticas:

Palazzo Orsini
Horário de verão: 10-13 / 15-19 (em agosto até as 20)
Horário de inverno: 10-13 / 15-17
Fechado às segundas-feiras (exceto em agosto)
Tel. (+39) 0564.616074

Hostaria del Ceccottino
Piazza San Gregorio VII, 64
58017 Pitigliano (Grosseto)
Tel. (+39) 0564.614069

Agência JustinToscana
Via Battistelli, 360
58017 Pitigliano (GR)
Tel. (+39) 0564.616801

Ah, e boa notícia: a partir de 6 abril (depois que fui embora) deve funcionar wi-fi grátis em Pitigliano! Assim você pode fazer check-in com o Foursquare como eu fiz 🙂

9 COMENTÁRIOS

  1. Lugar lindo Babi! Palazzo Orsini deve ser fantástico e apresentação em slides excelente! Deu vontade! Bjo FF

  2. Olá, Bárbara,

    Vou à Italia em dezembro, precisamente dia 22.Vamos ficar em Roma 7 dias, e como já conheço um pouquinho da Itália bem como de Roma, quero conhecer cidades próximas. Me interesei por Pitigliano e fui buscar na internet e me deparei com sua publicação.
    Adorei o que descreve, então, quero saber se têm trem de Roma para lá, ou só de carro? Vale a pena alugar um táxi para fazer a viagem? Quantas horas, dá para ir e voltar no mesmo dia?
    Bem quanto aos outros detalhes sua descrição foi ótima.
    Desde já agradeço a contribuição.
    Atenciosamente, Marise Bernardelli

  3. OI Marise, tudo bem?
    Fico contente que tenha gostado do artigo. Pitigliano é realmente uma cidade diferente, já estive lá duas vezes e voltaria com certeza mais uma vez.
    Sobre o bate e volta eu não recomendo porque, embora não sejam tantos quilômetros de distância de Roma, as estradinhas são cheias de curvas e é uma viagem cansativa. Você pode estudar o itinerário por exemplo com Google Maps, em geral eles acertam o tempo de viagem (você insere a cidade de onde parte e depois aquela onde chega).
    Não é muito fácil ir de trem, além disso sem carro você perde a oportunidade de descobrir as belezas nos arredores como por exemplo as termas de Saturnia (que vale SUPER a pena!), Montemerano (uma cidadezinha muito charmosa, mencionei ela aqui: http://www.brasilnaitalia.net/2010/07/descobrindo-maremma-com-vivamus.html ) ou a Via Cava, os antigos túmulos etruscos que fica lá perto.
    Vale a pena alugar um carro ou contratar um motorista, táxi…
    Depois me conta como foi. 🙂
    Abs
    Barbara

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here